Lente

Posthumus

18/04/2013


Post (após) humus (terra) é a raiz de póstumo, posterior, que designa, no caso do direito autoral, a obra inédita publicada após a morte do autor, como consta do art. 5º, e, da Lei brasileira (9.610/98, doravante LDA).
 
Vários clássicos da literatura, como A Cidade e as Serras, de Eça de Queirós são obras póstumas, essa publicada em 1901, um ano após sua morte. No caso, Eça morreu antes de suas intermináveis e obsessivas revisões do original terem sido arrumadas, a ponto de irem para o prelo.
 
O jornal londrino The Guardian informa que a biografia de Margareth Thatcher será publicada em breve, já que o contrato com o autor do livro previa a divulgação da obra apenas após a morte da biografada, ocorrida no último dia 08.4.
 
Algumas observações sobre a divulgação de obras póstumas, de acordo com a LDA. Se o autor quis que sua obra fosse publicada apenas de forma integral, não pode ser ela divulgada parcialmente (art. 55, parágrafo único. É vedada a publicação parcial, se o autor manifestou a vontade de só publicá-la por inteiro ou se assim o decidirem seus sucessores). Se o autor morre sem sucessores, sua obra cai de imediato em domínio público (art. 45. Além das obras em relação às quais decorreu o prazo de proteção aos direitos patrimoniais, pertencem ao domínio público, I - as de autores falecidos que não tenham deixado sucessores).
 
As obras póstumas também ficam sujeitas ao prazo de queda em domínio público, que é de (art. 41 e parágrafo único) setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subseqüente ao de seu falecimento, obedecida a ordem sucessória da lei civil.
 
É comum se encontrar, no fundo de uma gaveta ou num velho caderno de notas, texto de artista falecido, que é publicado como obra póstuma. No entanto, a tecnologia altera os hábitos e formas de armazenamento de conteúdo e a crônica ou a composição musical inéditas podem ser localizadas em arquivo no computador ou em correspondência eletrônica. Como, então, acessar legalmente essas obras póstumas? Ou mesmo mantê-las inéditas, se assim desejar o autor?
 
Em 2009 escrevi artigo sobre esse tema, intitulado Herança Virtual – publicado em versão concisa no Blog do caderno Prosa & Verso do Jornal O Globo, e republicado aqui no PublishNews em 04.11.2011. Disse ali que o inventariante, isto é, o responsável legal por arrecadar e partilhar os bens do falecido, poderia pedir ao Juiz do inventário que requeresse as senhas do artista no Google, Yahoo e redes sociais, para obter bens imateriais deixados, como composições musicais, crônicas etc.  Já atentava para a situação dos bens imateriais após a morte de seu titular, principalmente as informações, cujo crescimento no patrimônio dos indivíduos aumentava e se acumulava de modo significativo, e cogitei expressamente do testamento virtual.
 
Vejo agora que o Google lança um serviço intitulado Gerenciador de Contas Inativas, que permite a comunicação a pessoa especificada, ou mesmo a desativação da conta de dados eletrônicos – incluídos documentos e imagens – se ela ficar inativa por período determinado. Na prática trata-se do estabelecimento de disposições de última vontade, equivalentes a um testamento, que permitem destruir informações após a morte do usuário ou titular, ou ainda repassá-las a alguém. Seria um testamento virtual de adesão, pois o “correntista” subscreve uma ou mais estipulações postas ao seu dispor.
 
Tal iniciativa é um começo de atitude em relação às licenças que hoje nos são concedidas – como a de leitura, ao invés da compra de um livro – para o caso de morte do usuário. Tal se dará, por certo, com os titulares de canais de filmes, de leitura de jornais, de blogs, etc. E os débitos automáticos em conta? São muitas as providências póstumas, isto é, após a morte virtual, isto é o período “post digitus”, quando o cidadão da sociedade virtual parar de digitar. É necessário que mercado e usuários – verdadeiros consumidores – conheçam bem suas obrigações e direitos.
 
O site Meio e Mensagem transcreve nota do Google nos seguintes termos: “Esperamos que essa nova ferramenta lhe ajude a planejar sua morte digital de forma que proteja sua privacidade e segurança”, diz a nota. E encerra: “e tornando a vida mais fácil para pessoas queridas depois que você se for”.

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

Na coluna Lente, Gustavo Martins de Almeida vai abordar os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento.

“A coisa boa de ser poeta é que uma profissão para sempre. Nem dormindo a gente tem descanso.”

Matilde Campilho Poeta portuguesa

cheap nfl jerseys cheap nfl jerseys from china cheap nfl jerseys cheap nfl jerseys china cheap jerseys free shipping cheap nfl jerseys cheap nfl jerseys from china cheap nfl jerseys cheap jerseys from usa

© 1991-2015 PublishNews | Todos os direitos reservados.

Rua Fidalga, 471, cj. 3 | Vila Madalena | São Paulo - SP | 05432-070 | Fone: 11 3816-1270