O editor pioneiro
PublishNews, Redação, 03/07/2018
Livro conta a história do editor Francisco de Paula Brito (1809-1861) e a inauguração de um espaço letrado no Brasil oitocentista

O livro Corpo sem cabeça: o tipógrafo-editor e a Petalógica (Editora UFMG, 429 pp, R$ 54), do professor Bruno Magalhães Martins, faz uma análise importante do momento de inauguração de um espaço letrado no Brasil Império, a partir da trajetória do editor pioneiro Francisco de Paula Brito (1809-1861). É fato reconhecido que a tecnologia do impresso se instala tarde no Brasil. Relaciona-se frequentemente essa chegada tardia da imprensa ao atraso do letramento que adentra o século XXI mantendo altos índices de analfabetismo. Poucos conhecem a fascinante história de Francisco de Paula, que além de livros e jornais, semeou uma cultura letrada no cotidiano oitocentista através de uma intensa produção de anúncios, folhas, santinhos, estampas, embalagens, jogos, que inauguraram se não uma esfera pública, certamente um ambiente de impressos propício à circulação de frases e textos com a desenvoltura da comunicação oral. A livraria de Paula Brito foi o berço da polêmica Sociedade Petalógica que sob o mote “contrariar os mentirosos, mentindo-lhes” semeou o debate público, cético e jocoso de inédita liberdade.  

[03/07/2018 07:00:00]