210m² de livro
PublishNews, Leonardo Neto, 12/06/2018
Depois de tentar publicar seu livro em editoras tradicionais, publicitário de Brasília resolve ‘imprimi-lo’ em muro

Hugo Barros (na foto ao lado) é publicitário e mora em Brasília. Quando sua filha Olívia nasceu, ele se sentiu desafiado a escrever seu primeiro livro. Surgia, então, a ideia de O menino invisível, que conta a história de um garoto que mora em situação de rua. Com uma ideia na cabeça, procurou editoras. Nenhuma se interessou pelo projeto. A autopublicação não cabia no seu bolso. “Precisava arranjar um novo jeito de publicar meu livro e a própria história me deu uma resposta: ele precisava ser impresso na rua. O personagem vive na rua. O livro precisava ficar na rua que é onde ele vive”, contou em um encontro que teve com o PublishNews na Feira do Livro de Brasília cuja programação segue até o próximo domingo (17). Hugo começou a circular por Brasília em busca de grafites que lhe agradassem. Foi aí que viu o traço de Camila Siren. Buscou na internet, entrou em contato e ela topou. Para viabilizar o projeto, o publicitário preparou uma proposta, apresentou ao Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Distrito Federal e conseguiu R$ 15 mil. O próximo passo foi encontrar um muro que pudesse ancorar a sua história. Achou um de 70 m de comprimento e três de altura na quadra 413 Sul onde “imprimiu” O menino invisível. O projeto aprovado no FAC prevê a criação de outros três livros que já estão sendo pensados com Siren. 

[12/06/2018 09:09:00]