Publicidade
Publicidade
Os livros e a liberdade frente ao ódio
PublishNews, Paulo Tedesco, 28/05/2018
Em sua coluna, Paulo Tedesco recomenda a editores e a autores que não tenham medo de assumir posições e publicar sem medo

Nas épocas de crise é que o livro ganha valor. Isso acontece em especial quando a crise anda a conquistar as formas que todos assistem: manifestações de ódio e ameaça de violência gratuita, respaldados pelo desejo de rearmar indiscriminadamente o povo e transformar, em segundos, situações pacíficas em violência real e sangrenta, onde vítima e criminoso se confundem.

Nessa instância, de grande e crescente tensão, publicar sem medo e assumir posição nos debates é o mais recomendado. Em outras palavras, dar voz é a melhor maneira de se aliviar a pressão de quem quer falar, e mesmo que o que digam seja não muito recomendável, é preciso dar-lhes espaço e voz.

E o livro e o mundo editorial têm seu papel a cumprir, pois as ditaduras se valem, sempre, da primeira lei: a da mordaça. Sim, é a censura direta e indiscriminada a primeira das violências quando a democracia cambaleia. Nossa tarefa, de quem está no meio editorial, é, com afinco, procurar vozes novas e dar curso a outras ainda que discordemos. O que me lembra das recentes palavras de um editor amigo: devemos publicar mesmo o que não nos agrada.

Essa roleta russa, de dar espaço a ideias, só é perigosa para quem não tem a confiança em si. Afinal, é disso que se valem  as instituições que não aceitam que seus afiliados tenham vez em suas próprias opiniões ou que possam buscar aprender novas posições na busca do esclarecimento.

E por que um livro ganha valor na crise? Porque em tempos multiconectados, em que a censura de grandes corporações internacionais como Google e Facebook, muitas vezes secundados por elementos estranhos ao livro, como a Justiça institucional e polícias estrangeiras como o FBI, é algo corrente e cotidiano e claramente vem interferindo no comportamento do cidadão, é talvez a melhor e mais democrática resposta aos arautos do silêncio. Afinal, nem Google, nem Facebook nem o FBI conseguem “derrubar” um livro, e talvez justamente por isso é que as livrarias possam voltar a ser um local de resistência, assim como os canais online livres da censura e totalmente independentes.

Um dos maiores pré-requisitos da liberdade é a multiplicidade de ideias, o respeito às diferenças e a tolerância dos contrários. E a melhor, e certamente mais eficaz forma, é o mercado editorial permitir e colaborar para que tudo, eu disse tudo, seja passível de publicação.

Não temamos dar páginas a quem desgostamos, pois elaborar uma ideia nefanda em livro, num verdadeiro livro, geralmente permite que essas ideias estapafúrdias, como as de Bolsonaro, por exemplo, mostrem sua absoluta insanidade e fragilidade. E o oposto também é verdadeiro: ideias positivas mas que carecem de argumentação e construção, uma vez em livro, num bom livro, também pode mostrar suas fraturas e impossibilidades. E assim se constrói um debate, abrindo portas e janelas.

É de se entender, portanto, que ser editor e autor, é dotar-se de coragem, de ousadia. Não por coincidência que se queimam livros nos períodos de repressão, pois estão a queimar ideias e autores. Democracia sempre!

Paulo Tedesco é escritor e consultor em projetos editoriais. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

[28/05/2018 06:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em seu artigo, Paulo Tedesco fala sobre doar livros ou não pagar autores. "Paguem pelos livros e deem cachês decentes aos autores",
Em sua coluna, Paulo Tedesco comenta sobre os números divulgados pela #PubMagNet sobre a Alemanha e a diminuição da compra de livros no país
​​Foi lendo os 'Contos reunidos de Fiódor Dostoiévski', que Paulo Tedesco concluiu: para ler mais e melhor é preciso de dois vetores, tempo e disposição.
Em seu último artigo do ano, Paulo Tedesco fala sobre a importância de saber empreender
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em novo artigo, André Palme comenta a nova funcionalidade do Instagram e diz que lições a plataforma pode dar ao mercado do livro
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Marcio explica o porquê da sua ausência nas páginas do PN
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa recentes dados de pesquisas que mostram os hábitos de leitura nos EUA
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Não existe essa coisa de livro moral ou imoral. Um livro é bem ou mal escrito, e isso é tudo.
Oscar Wilde
Poeta e dramaturgo irlandês

(1856-1900)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar