Quem quer receber dinheiro para ler livros?
PublishNews, Talita Facchini, 24/05/2018
Programa quer expandir a literatura finlandesa no exterior pagando para as editoras analisarem obras de ficção e não ficção

Livros finlandeses expostos na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha | © Facebook do Fili
Livros finlandeses expostos na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha | © Facebook do Fili
A Fili (Finnish Literature Exchange) teve uma ideia para divulgar a tradução e publicação de livros finlandeses no exterior e criou o programa Reader’s Report Grant. Nesse projeto, qualquer editora que tenha interesse em conhecer um livro finlandês pode contratar alguém para lê-lo e analisá-lo sem compromisso nenhum.

“O principal objetivo desse projeto e fazer com que as editoras percam o medo de avaliar livros finlandeses, então a ideia é fazer com que elas não tenham custo nenhum e até recebam por isso”, explica Pasi Loman, sócio da Vikings of Brazil, agência especializada no intercâmbio de autores nórdicos com o Brasil. 

Para aderir ao programa, as editoras devem preencher um formulário on-line de inscrição escolhendo um livro na categoria ficção para adultos ou crianças, ou não ficção, publicados na Finlândia. Para fazer a análise da obra, a editora pode escolher alguém que saiba finlandês ou pedir a ajuda da Fili que indicará um profissional. “Aqui no Brasil, além da Vikings of Brazil, a embaixada da Finlândia também sempre ajuda empresas achar tradutores do finlandês, então eles também sem dúvida podem ajudar”, adianta Pasi.

Cada relatório pode garantir render até € 100 (aproximadamente R$ 427) e as editoras podem escolher a taxa que será paga para a pessoa que escreverá o relatório do livro que deverá ser encaminhado para a Fili. As editoras que se inscreverem no Reader’s Report Grant serão notificadas por e-mail sobre a decisão de seus pedidos e os subsídios do relatório permanecem válidos por até seis meses. Vale lembrar que a bolsa é paga simplesmente para avaliar a obra, não importa se a editora irá ou não adquirir os direitos.

O futuro do programa dependerá da quantidade de relatórios que serão pedidos ao longo deste ano.

[24/05/2018 11:10:00]