Publicidade
Publicidade
Sobre conteúdo, os micromomentos e o universo digital
PublishNews, André Palme, 12/04/2018
Em novo artigo da série 'Marketing, digital e outras coisitas mais', André Palme dá dicas de como fazer com que o consumidor invista o tempo livre dele em seu livro

Bora seguir com esse papo!

Antes de começar com o segundo artigo da série Marketing, digital e outras coisitas mais, um aviso antimágoa: esta série de artigos trata do marketing e das ferramentas no universo digital, o que não significa, em nenhum momento, nemumzinho mesmo, que o marketing offline, ou OOH (nome chique para dizer marketing fora de casa) não é relevante. Na verdade, todas estas possibilidades devem ser trabalhadas em conjunto na criação de uma campanha. Foi só uma questão de foco mesmo, mas o amor permanece <3 

Continuemos.

A ideia a partir de agora é seguirmos com os artigos, cada um com foco em uma das áreas que considero importantes quando falamos de marketing no universo digital.

Só para relembrar, entenda-se por universo digital toda a internet; não estamos falando aqui especificamente de produtos digitais, como e-book e audiobook. Estamos falando de usar o universo digital como ferramenta de venda de livros e conteúdo, em todos os seus formatos.

Quero começar falando um pouco sobre algumas definições de marketing e as mudanças dos últimos anos.

*SPOILER: para você que acha que marketing é um monte de gente criativa em uma sala tendo ideias sem parar, achou errado. Marketing é cada vez mais uma combinação bem elaborada de criatividade, dados e números. 

Como diz o Dan Zarrella, do HubSpot: “Marketing sem dados é como dirigir um carro com os olhos fechados.” 

Sobre versões mais institucionais, mas não menos importantes, segundo o American Marketing Association, a definição de marketing é: “O Marketing é uma atividade, conjunto de instituições e processos para criar, comunicar, entregar e trocar ofertas que tenham valor para os consumidores, clientes, parceiros e sociedade em geral.”  

Eu gosto de uma outra que diz: “Frequentemente, o melhor marketing não parece realmente marketing.” do Seth Godin, um dos principais autores de livros sobre marketing e membro do Hall da Fama do Marketing Direto. 

Cada vez mais, marketing é contar uma história, gerar engajamento, ganhar a confiança, para então quem sabe vender seu produto. É sobre criar uma relação com seu cliente e não simplesmente fazer uma venda pontual. Junto a isso, análise de dados, inteligência de negócios e muita matemática são indispensáveis. 

Existe um fluxo, muito usado nos conceitos de inbound marketing (estratégia de marketing que visa atrair o interesse das pessoas, também chamado de marketing de atração):

 ATRAIR > CONVERTER > RELACIONAR > VENDER > FIDELIZAR 

Perceba que vender não é a primeira etapa do processo, é a penúltima. Por que? Porque primeiro é preciso chamar a atenção do seu potencial cliente, fazer com que ele se interesse pela sua história, pelo que você tem a contar, começar uma relação com ele e só ai ofertar seu produto; e não acaba por aí porque o desafio depois disso é fidelizar esse cliente, para que toda vez que ele pense em comprar algo que você oferece, ele pense em você e não em outra marca ou empresa. 

Até pouco tempo atrás, marketing era basicamente fazer propaganda, ou seja, ofertar seu produto na mídia. E quais eram essas principais mídias: TV, rádio, jornal... e bastante no nosso caso os Pontos de Vendas, também conhecidos como PDVs. Você montava uma campanha, produzia as peças, comprava o espaço nestes veículos (ou conseguia espaço editorial através de um trabalho assertivo de assessoria de imprensa), veiculava estes anúncios e aguardava o retorno. 

Nem sempre a escolha destes veículos seguia um estudo de segmentação do público, muitas vezes porque os veículos eram poucos e todo mundo sabia onde poderia anunciar, outras vezes porque a mensuração disso não era tão simples. Um exemplo: vamos combinar que é impossível mensurar com exatidão quantas pessoas ouviram um spot de rádio e compraram um livro por conta disso. 

As ferramentas digitais trouxeram um aperfeiçoamento maravilhoso para este processo, chamado: mensuração! No universo digital é possível mensurar e segmentar toda sua estratégia, seja por e-mail marketing, banners, clicks, anúncios, conteúdos em redes sociais, etc, etc.

O resultado disso: é mais fácil e mais rápido medir a efetividade das suas ações, o que torna consequentemente mais fáceis as correções necessárias de rota. 

Além disso, outra coisa mudou muito. Não existem mais – apenas – estes veículos como o funil de divulgação e propaganda do seu conteúdo. A própria empresa pode fazer isso por meio do seu site, das suas redes sociais e com parceiros como influenciadores e blogueiros, só para dar alguns exemplos.

O resultado disso: hoje é muito mais barato e fácil anunciar seu produto. Ao mesmo tempo planejamento, segmentação e estratégia se tornaram ainda mais vitais, porque se ficou mais barato e fácil para você, ficou também para todo mundo. 

Então retomando, em pontos para ficar mais claro:

  1. Hoje é importante contar uma história e criar um relacionamento com seu cliente e não só fazer um jabá, aquela propaganda de “compre batom” que ninguém mais aguenta;
  2. o marketing é cada vez mais uma mistura bem dosada de criatividade e matemática;
  3. as ferramentas digitais permitiram com que a própria empresa possa atingir diretamente seus consumidores e sua comunidade;
  4. com o universo digital ficou mais fácil mensurar suas ações e campanhas;
  5. ficou muito mais barato, não só para você mais para todo mundo divulgar seus produtos.

Ok, isso foi tudo o que mudou para quem vende...e para quem compra? O que mudou? 

Principalmente a maneira como interagimos com as mídias e com o conteúdo.

Antes da internet, as interações com marcas se davam principalmente através da TV, do rádio e dos jornais e revistas. Você via uma propaganda, se interessava pelo produto e ia comprar.

Aí aconteceu, na minha visão, a mudança mais importante nesse cenário: a relação mudou de um MONÓLOGO - a empresa faz os anúncios, para um DIÁLOGO - a empresa produz o conteúdo, o cliente responde, interage, compartilha, reclama, ama, etc. Ou seja, não é mais uma relação de via única, agora existe troca.

Além disso, a dinâmica dessa interação é diferente agora. Principalmente no consumo de conteúdo... como estamos falando aqui que cada vez mais o marketing é conteúdo, isso significa que estamos falando no nosso caso – os livros – ao mesmo tempo de consumo do conteúdo MARKETING e do conteúdo LIVRO. Esse consumo não se dá mais – essencialmente - em logos períodos de tempo, ele se dá em pequenas interações ao longo do dia, que não duram mais de 3 minutos cada, em sua maioria. É o que o Think With Google – fundação de pesquisa de comportamento e tendências digitais da empresa – chama de micromomentos.

A grande questão é que estes micromomentos, pequenos momentos de interação com conteúdos, sejam eles de marcas ou não, acontecem pelo menos 150 vezes todos os dias. Como o celular é o dispositivo que mais está com você, é normalmente ali que acontece a interação e o consumo de conteúdo.

O que isso significa na prática: que você tem pelo menos 150 oportunidades por dia para se comunicar e atrair seu cliente para seu conteúdo, para a partir daí convencer ele de que vale a pena continuar essa conversa e interagir mais com seu conteúdo (marca) e/ou com seu conteúdo (livro). 

Como eu disse no primeiro artigo, estamos disputando o tempo livre das pessoas e esse tempo livre acontece cada vez mais em micromomentos. Repare no seu dia: quantas vezes você tem uma pequena pausa, pega o celular, olha alguma coisa e fecha? Pode contar, vão ser muitas, talvez até mais que 150 vezes. 

O Think With Google divulgou uma pesquisa em 2017, onde fala sobre a navegação em sites. Dois anos atrás, se um site não carregasse sua página inicial em cinco segundos, a maioria das pessoas desistia de navegar naquele endereço. Em 2017 esse número baixou para três segundos. Bizarro né? Pois é, mas é real...com certeza você já fez isso também. 

Então mudou para quem vende e mudou para quem compra. 

Porque o universo digital é tão importante nessa equação? Porque é ali que estamos grande parte do dia. Como também falei no primeiro artigo, não existe mais essa coisa de online e offline. Até em Gonçalves, no meio da roça (essa parte é uma homenagem para o Leonardo Neto) fica todo mundo conectado. Não vou entrar no mérito aqui se isso é bom ou ruim, mas é um fato. 

Por estes motivos: conexão, presença e tempo de interação no universo digital, este ambiente é essencial para qualquer campanha de marketing e para a estratégica de divulgação e venda de qualquer empresa. Somos uma indústria que vive de vender conteúdo, não deveria então ser tão difícil entendermos o valor do conteúdo em todas as etapas destes processos. 

Não vou ficar aqui repetindo números e mais números de quanto as pessoas estão neste universo e o quanto ele impacta a vida dos consumidores por um simples motivo: nós somos essas pessoas e vivemos isso todos os dias. Não precisamos de um exemplo melhor do que nós mesmos. 

E como então fazemos para colocar tudo isso em prática e aproveitar o universo digital em nosso marketing?

Isso é o que vamos falar nos próximos artigos, onde trataremos de cada uma das áreas e ferramentas e de como elas podem ajudar na criação e operação de suas ações de marketing.

André Palme é empreendedor já faz uma década. Apaixonado por livros e conteúdo, tem seu foco de atuação em desenvolvimento de negócios, marketing, universo digital e inovação. É sócio e Head Comercial do #coisadelivreiro, empresa de consultoria em marketing e negócios para o livro, em todos os seus formatos. Foi o primeiro embaixador do Business Club da Feira do Livro de Frankfurt no Brasil, além de palestrar em feiras nacionais e internacionais. Integra a comissão de negócios digitais da CBL e é mediador EAD na LabPub. Também é sócio de uma pousada na beira da praia em Florianópolis. Além disso torce para a bateria do celular não acabar nunca.

[12/04/2018 11:10:31]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em novo artigo, André Palme comenta a nova funcionalidade do Instagram e diz que lições a plataforma pode dar ao mercado do livro
Em seu último artigo da série, Palme fala sobre como mensurar os resultados de uma campanha de marketing
Em seu sétimo artigo, Palme fala sobre a importância dos chatbots e como eles podem ser um aliado poderoso nas vendas e ações de marketing
Em seu sexto artigo, André Palme fala sobre um modelo de vendas que cresce sem parar: as vendas digitais.
Em seu quinto artigo da série 'Marketing Digital e Outras Coisitas Mais', André Palme fala sobre a importância dos influenciadores e como nem sempre o volume de seguidores é o que mais importa
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Cindy Leopoldo: as listas dos mais vendidos 'contém dados atualizadíssimos sobre o que é a literatura brasileira e até mesmo o que é ser brasileiro hoje'
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Marcio Coelho fala sobre as diferenças e semelhanças entre o livro e a barata e questiona: onde encontrar refúgio os problemas atuais? no primeiro ou no segundo?
Para Shatzkin, dois fatores colaboram para a crise da maior livraria nos EUA: as vendas, cada vez mais, acontecem via internet a autopublicação tira uma fatia importante do comercio tradicional
O maior defeito dos livros novos é impedir a leitura dos antigos.
Joseph Joubert
Ensaísta francês (1754 - 1824)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar