Saraiva fecha com prejuízo o terceiro trimestre de 2017
PublishNews, Redação, 16/11/2017
Com as receitas brutas estáveis e aumento nas despesas operacionais, varejista apresentou Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de menos R$ 7,7 milhões

A Saraiva divulgou, na véspera do feriado, os seus resultados do terceiro trimestre de 2017. O que se viu foi a manutenção das receitas brutas, que praticamente não teve variação na comparação ano a ano e um crescimento significativo do seu prejuízo. Novamente, a varejista viu crescer a importância do seu e-commerce, que apresentou 17,1% de crescimento nas suas receitas brutas, saltando de R$ 135,4 milhões em 2016 para R$ 158,6 milhões em 2017. No acumulado do ano, as receitas brutas do e-commerce apresentaram crescimento de 11,6%, saindo de R$ 446,8 nos nove primeiros meses de 2016 para R$ 498,5 milhões em igual período de 2017. As vendas em lojas físicas, no entanto, andaram no sentido contrário. Comparando o terceiro trimestre de 2016 com o mesmo período de 2017, vê-se queda de 7,6% e, no acumulado do ano, a variação é de -5,6%.

Novo modelo de loja da Saraiva | © Humberto Sousa
Novo modelo de loja da Saraiva | © Humberto Sousa

Os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) acompanharam a receita bruta e fecharam o terceiro trimestre em queda. Se no período analisado em 2016, a companhia teve R$ 405 mil, agora apresenta prejuízo de R$ 7,7 milhões, desconsiderando na conta o impacto de despesas extraordinárias de reestruturação e aumento de produtividade. No acumulado do ano, o Ebitda já apresenta queda de 13,7%, caindo de R$ 21,2 milhões nos nove primeiros meses de 2016 para R$ 18,3 milhões no mesmo período de 2017.

Diante do cenário de queda nas vendas das lojas físicas, a varejista elaborou um plano de ação que levou ao fechamento de 12 lojas com baixa perspectiva de geração de valor, representando 11% da quantidade total de lojas, mas apenas 4% do total de área de vendas da rede de lojas. Depois disso deu início a ações junto a clientes dessas lojas fechadas em busca de fidelizar e estimular a migração das vendas para as lojas próximas e para o e-commerce. Além disso, a companhia ressalta que criou novos formatos de gestão de lojas, visando aumento de produtividade das ações e ainda um plano de redução de custos nas principais linhas de despesas da empresa. 

Outro ponto de destaque no terceiro trimestre foi o início das operações no marketplace do Mercado Livre e com a B2W. A varejista espera ampliar a sua participação neste modelo de negócios em 2018. “Nosso objetivo é estar presente em plataformas de grande relevância, conquistando novos consumidores e fortalecendo ainda mais a nossa marca, e, também, o posicionamento de liderança e referência no mercado de livros online”, diz a empresa no relatório distribuído aos seus investidores.

Tags: Saraiva
[16/11/2017 10:35:00]