Negócio da China
PublishNews, Leonardo Neto, 21/08/2017
Pouco explorado pelos brasileiros, o mercado chinês do livro é um vasto território a ser conquistado. Dois brasileiros se firmam como pioneiros nessa missão.

O relaxamento da política do filho único na China iniciado em 2015 levou a indústria editorial global a enxergar o país com outros olhos. A prova disso é que a Feira do Livro de Pequim, que começa nesta quarta (23) e segue até o próximo domingo (27), terá um pavilhão inteiro dedicado aos livros infantis e ele está repleto de editoras internacionais que disputam a atenção de editores locais. O enfoque está especialmente nos livros voltados para a faixa etária de pré-escola, no ensino fundamental e nos livros ilustrados.

E há um brasileiro que tem nadado de braçada nessa oportunidade. Roger Mello, o único ilustrador brasileiro a conquistar o Hans Christian Andersen (a goiana Ciça Fittipaldi está no páreo para o próximo ano), já está a caminho da China para participar do evento.

Roger Mello ao lado de um pequeno leitor chinês | © Divulgação
Roger Mello ao lado de um pequeno leitor chinês | © Divulgação

Roger integra a programação oficial da feira onde participa da abertura da exposição comemorativa aos 25 anos do Prêmio Hans Christian Andersen. O ilustrador aproveita a viagem ainda para lançar Borboleta limão, pela China Children's Press & Publications Group (CCPPG), ilustrado por ele e com textos de Cao Wenxuan, também laureado pelo Hans Christian Andersen. O roteiro de divulgação do livro inclui uma pequena turnê pelas províncias de Shandon e Fujian.

A história de Mello com a China começou em 2013, antes, portanto de levar o “Nobel da Literatura Infantojuvenil” para casa. No ano seguinte, assinou, já em parceria com Wenxuan, o livro A pena, ainda inédito por aqui, mas cujos direitos estão com a Companhia das Letras. Além dos livros criados especialmente para o mercado chinês, Roger tem traduzidos para o mandarim seus livros João por um fio, Contradança, Meninos do mangue e Todo cuidado é pouco.

Volnei Canônica, Marcelo Pimentel, Roger Mello, Mariana Massarani, Graça Lima e Marina Colassanti compuseram a comitiva brasileira na Feira do Livro de Xangai, na China | © Divulgação
Volnei Canônica, Marcelo Pimentel, Roger Mello, Mariana Massarani, Graça Lima e Marina Colassanti compuseram a comitiva brasileira na Feira do Livro de Xangai, na China | © Divulgação

Outro brasileiro que está de olho no potencial da China é Volnei Canônica, que embarcou com Roger para o país. No ano passado, Volnei, que é colunista do PublishNews, se aventurou a criar o Seminário Internacional da Literatura Infantil Brasileira, que integrou a programação de outra feira lá, a do Livro para Crianças de Shangai, conforme o PublishNews noticiou na época.

A atividade levou para China, com apoio do Ministério das Relações Exteriores, uma comitiva estrelada de autores que incluiu, além de Roger, Marina Colasanti, Graça Lima, Mariana Massarani e Marcelo Pimentel. Segundo Canônica, o convite para realização da próxima edição do seminário já foi feito pela Feira de Shangai e ele já começou as articulações para que isso aconteça. A feira acontece entre os dias 17 e 19 de novembro. "Precisamos fazer com que o mercado editorial e o governo brasileiro entendam a importância desse espaço já conquistado, e não deixe de realizar o evento. Alguns escritores e ilustradores voltaram para o Brasil já com trabalhos e propostas de edição alinhavados. O mercado chinês ficou interessado e impressionado com a nossa literatura. O potencial para a negócio e divulgação da literatura brasileira infantil, não só na China, mas em todos os países asiáticos é grande", comentou.

Números da Feira de Pequim 

A Feira do Livro de Pequim ocupa uma área de 92,7 mil m², 14 mil m² a mais do que no ano passado. Nesse espaço, estarão 2.500 expositores, dos quais 102 são estrangeiros, vindos de 89 países. Ao todo, estima-se que serão apresentados durante o evento 300 mil novas publicações. 

[21/08/2017 10:30:00]