Publicidade
Publicidade
Na Coreia, Canônica entrevista Marilda Castanha
PublishNews, Volnei Canônica, 22/05/2017
Ilustradora brasileira ganhou prêmio na Coreia do Sul

Nosso colunista Volnei Canônica entrevista Marilda Castanha, única brasileira a ganhar o Nami Concours | © Volnei Canônica
Nosso colunista Volnei Canônica entrevista Marilda Castanha, única brasileira a ganhar o Nami Concours | © Volnei Canônica

Volnei Canônica, diretor do Centro de Leitura Quindim e colunista do PublishNews, está na Coréia do Sul como convidado do NamBook Festival e Nami Concours 2017. O NamBook, idealizado pelo artista coreano Kang Woo Hyon, acontece desde 2005 na Ilha de Nami. Criado em 2013, o Nami Concours faz parte da programação do evento. Na sua 3ª edição (bienal) se inscreveram 1770 participantes de 89 países.

O júri é composto por importantes especialistas e ilustradores: Junko Yokota (Japão/EUA) - presidente do júri, Zohreh Ghaeni (Irã), Roger Mello (Brasil), Anastasia Arkhipova (Rússia), Yusof Ismail (Malásia), Yokiko Hiromatsu (Japão) e Sung-Ok Han (Coréia do Sul).

Uma das premiadas, na categoria Purple Island, foi a ilustradora brasileira Marilda Castanha. O resultado da edição de 2017 você pode conferir no site do concurso.

Volnei envia uma entrevista exclusiva de Marilda para os leitores do PublishNews.

Exposição da obra 'Sem fim' durante o evento na Coreia do Sul | © Volnei Canônica
Exposição da obra 'Sem fim' durante o evento na Coreia do Sul | © Volnei Canônica

Volnei - Qual a importância deste prêmio na sua carreira?

Marilda – Todo prêmio é um reconhecimento. E mesmo completando neste ano 30 anos como ilustradora, ser premiada é sempre um incentivo. Principalmente para não parar de fazer o que decidi há algum tempo: dar prioridade a projetos autorais e dedicando-me também à narrativa visual. É uma resposta para o caminho que escolhi. O caminho do livro ilustrado, da autoria, de uma voz narrativa.

Volnei - Quais outros prêmios internacionais que você já conquistou?

Marilda - Nos anos 1990 ganhei três prêmios. Dois no Noma Concours, no Japão, (Runner up para Pindorama, terra das palmeiras e um Encouragement Prize para Pula, gato) e um Prêmio Octogone, em Paris, também pelo Pindorama. Todo prêmio é sempre muito importante. É sempre uma resposta. Um prêmio internacional como este confirma que a ilustração é uma linguagem internacional. Ter estado na Coréia do Sul para receber este prêmio e perceber as diferentes culturas foi um momento muito especial para mim. A potência de um prêmio internacional é perceber que o livro foi lido, compartilhado e ganha mais visibilidade. O próprio corpo de jurados formado por leitores críticos que estão avaliando o livro já oferece uma forma deste objeto ganhar diferentes olhares, e sair da gaiola. Não é restrito a um só público e é isso que a gente deseja na literatura para a infância. Que o livro saia pelo mundo, que vá embora...

No caso do livro Sem fim (Positivo), que é uma história de metáforas, em que cada ilustração do livro não foi feita por acaso, e sim, com uma proposta, o prêmio sinaliza e afirma aquilo em que nós ilustradores acreditamos: imagem é uma narrativa sem fronteiras culturais.

Marilda Castanha com o Wally de Doncker - Presidente do IBBY - International Board on Books for Young People, na Exposição
Marilda Castanha com o Wally de Doncker - Presidente do IBBY - International Board on Books for Young People, na Exposição
Volnei - Como foi a ideia do livro Sem fim?

Marilda - Desde que eu fiz o livro Pindorama, já tinha a vontade de fazer um livro onde eu pudesse desenhar diferentes árvores. Um dia, o Nelson Cruz, meu marido, que também é ilustrador, me fez uma provocação. Porque eu não desenhava um livro com todas as minhas ilustrações de árvores malucas? O Sem fim é uma conversa entre o homem e a natureza. Às vezes é como uma dança, uma comunicação entre os dois. Na história existe uma caixa que é o elemento que fica o tempo todo nos mostrando que a decisão está em nossas mãos. Tudo que tem na caixa pode construir ou destruir. Depois que eu tinha acabado de fazer as ilustrações do livro eu encontrei o poema Canção mínima, da Cecilia Meirelles.

CANÇÃO MÍNIMA

No Mistério do Sem-Fim,
equilibra-se um planeta.

E no planeta, um jardim;
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro, uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro.

entre o planeta e o Sem-Fim,
a asa de uma borboleta.

Uma das estrofes do poema virou a epigrafe do livro. O poema traz essas questões de que tudo é circular e a harmonia do homem e da natureza depende de você. Além disso tudo, este projeto me instigou muito a trabalhar não só com as imagens, mas com recursos gráficos e visuais, como a dobra da página, por exemplo. Tudo que temos no texto gráfico vamos ter no texto de imagem.

Volnei - Como você vê a participação de ilustradores brasileiros em concursos, bienais e feiras internacionais?

Marilda - Vejo que temos que divulgar mais as feiras que não estão centralizadas na Europa. Estamos com o olhar viciado para eventos já estabelecidos. Eventos como a Feira do Livro de Bolonha, a Ilustrarte, e outros são muito importantes. Mas é necessário abrir o nosso leque de participação em outros eventos. Hoje vejo que é importante, possível e necessária a participação em eventos como, por exemplo, a Feira de Guadalajara, Nami Concours, Sharjah Exhibition for Children’s Book Illustrators nos Emirados Árabes, (que teve a participação do ilustrador brasileiro Romont Willy neste ano) Feira de Xangai e Pequim, Bratislava, catálogo Ibero Americano e outros.

A Feira do Livro de Bolonha está bastante voltada para a ilustração que é feita na Europa e por isso, muitas vezes, acaba sendo um limitador e excluindo a ilustração latino-americana. Precisamos cada vez mais nos arriscar e participar de novos concursos e eventos para que diferentes culturas possam ler nossas narrativas. Precisamos insistir. Estar aqui é um grande encontro de ilustradores, da ilustração, de diferentes linguagens e narrativas.

Nami é um concurso para picture books e isso contribui muito para que os brasileiros participem. No Brasil temos muitos escritores / ilustradores. E ilustradores / autores. Este é um fator muito positivo e precisamos aumentar a participação dos brasileiros nestes concursos.

O que eu mais vi nos livros premiados aqui no Nami Concours foi a questão da identidade. Um desenho com assinatura. O concurso Nami privilegia a diversidade. Encontrei trabalhos completamente diferentes entre os premiados. Diferença de técnicas, de produção gráfica, e todos com muita qualidade. Quero ressaltar aqui o livro premiado da ilustradora polonesa Malgorzata Gurowska. É um poema gráfico lindíssimo, contemporâneo, e sem nenhum apelo comercial com uma voz crítica a algumas das situações polêmicas que vivemos atualmente, como a questão dos refugiados, do poder bélico, do autoritarismo. Ver um livro como este ganhar o primeiro prêmio sinaliza e dá voz não só ao ilustrador premiado, mas ao próprio corpo de jurados que o escolheu. Ao que ele pensa e avalia. No fundo foi um grande encontro não só de ideias, mas também de ideais.

Volnei - O ilustrador brasileiro tem medo de se aventurar no mercado internacional?

Marilda- Não. Vejo que muitos participam. Mas o ilustrador brasileiro tem (e tem que ter, pela própria situação econômica e financeira em que vivemos) muito foco de trabalhar para o mercado editorial interno e muitas vezes não temos tempo de participar e dedicar a concursos, principalmente àqueles que pedem trabalhos inéditos. Isso é muito difícil. Estamos sempre muito preocupados, claro, com a demanda - e também a falta de demanda - do mercado interno. Por outro lado, quanto mais pessoas participarem e enviarem seus trabalhos poderemos mostrar a diversidade da ilustração brasileira. No meu caso, fiquei muito estimulada a participar do Nami Concours quando o ilustrador brasileiro Marcelo Pimentel ganhou o prêmio Grand Prix em 2015. Mas o foco não foi ganhar, e sim participar, porque a participação possibilita que a ilustração latino-americana percorra novos espaços.

Volnei - Como está sendo essa experiência na Coréia do Sul?

Marilda - Ótima! Foi um encontro de ilustração e de novos amigos. Traz muita felicidade ver o reconhecimento das nossas ideias. E em um encontro que valoriza a diversidade: ideias diferentes, pessoas e culturas diferentes. Não é somente uma cerimônia de entrega do prêmio. Aconteceu uma cerimônia maravilhosa, mas nos deram a oportunidade dos encontros. Não só entre os ilustradores premiados mas também junto com o próprio corpo de jurados. Achei isto importantíssimo. Informalmente ouvi depoimentos sobre o meu trabalho que foram encorajadores. Conversar com os ilustradores e os jurados é igualmente enriquecedor. Encontrei e conheci pessoas do Irã, Malásia, Inglaterra, Portugal, EUA, Japão, Polônia. Todos com histórias similares. Todos trabalhando para o livro e para a infância. Tive a completa sensação de que não estamos sozinhos!

Marilda Castanha - É ilustradora e escritora. Nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais e passou a sua infância brincando num quintal enorme com bichos, plantas e uma jabuticabeira. Cresceu desenhando e nos anos 80 fez Belas Artes na UFMG. Ainda na faculdade foi "fisgada" pela literatura infantil, e começou a ilustrar. Hoje mora e trabalha em Santa Luzia, MG.

Volnei Canônica é formado em Comunicação Social – Relações Públicas pela Universidade de Caxias do Sul, com especialização em Literatura Infantil e Juvenil também pela Universidade de Caxias do Sul, e especialização em Literatura, Arte do Pensamento Contemporâneo pela PUC-RJ. É diretor do Centro de Leitura Quindim e ex-diretor de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, do Ministério da Cultura. Coordenou no Instituto C&A de Desenvolvimento Social o programa Prazer em Ler. Foi assessor na Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Na Secretaria Municipal de Cultura de Caxias do Sul, assessorou a criação do Programa Permanente de Estímulo à Leitura. o Livro Meu. Também foi jurado de vários prêmios literários.

[22/05/2017 09:44:00]
Publicidade

A Primavera Literária, o mais tradicional das editoras independentes no Brasil, é um evento que contribui para a movimentação da atividade econômica do setor editorial, para a democratização da leitura e para a discussão de políticas públicas para Livro e da Leitura. Haverá programação cultural com temáticas efervescentes e as crianças serão contempladas com o Espaço Infantil Clube Quindim estreando este ano. O evento é gratuito, não fique de fora!

Leia também
Em sua coluna, Volnei Canônica rebate informações sobre os livros do Porto Maravilha
Volnei Canônica voltou de Paraty e faz um balanço do que viu na Flip, dando especial enfoque nos debates sobre políticas públicas do livro realizados nos dias do evento
Em sua coluna, Volnei Canônica busca dar uma resposta a essa pergunta
Em sua coluna, Volnei Canônica comenta a interdição da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, cuja reforma, de quase R$ 2 milhões, será feita por empresa de um funcionário do Iphan,
Volnei Canônica analisa as últimas ações de incentivo à leitura e ao livro realizadas pela Prefeitura de São Paulo e conclui: 'o que vimos é que Doria e sua equipe engataram a marcha ré'
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala da importância dos livros de ficção em sua vida, e sobre como a ficção e não ficção se completam
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Henderson fala sobre a sua preocupação de que a atual onda de censuras difusas a exposições chegue, em breve, ao mercado editorial
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
André Palme já está na Alemanha para a sua terceira Feira de Frankfurt e ele aproveita para compartilhar algumas dicas para quem também vai acompanhar o evento
A literatura perto do cinema é muito chata porque a pessoa fica solitária ao ler.
Silviano Santiago
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar