Publicidade
Publicidade
Biblioteca - sempre de portas abertas!
PublishNews, Volnei Canônica, 12/05/2017
Em sua coluna, Volnei Canônica comenta a interdição da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, cuja reforma, de quase R$ 2 milhões, será feita por empresa de um funcionário do Iphan,

O MinC
O MinC

Na última quarta-feira (10), a Folha de S.Paulo noticiou que a Biblioteca Demonstrativa de Brasília (BDB) permanecia de portas fechadas e que o Ministério da Cultura realizou uma nova licitação para outra reforma, de quase R$ 2 milhões, que beneficia a empresa GPM Arquitetura e Construção. Um dos sócios da referida empresa é funcionário do Iphan, autarquia ligada ao MinC.

O jornal me entrevistou por e-mail para saber o que tinha acontecido com a BDB no período em que eu estava à frente da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), de julho de 2015 a junho de 2016. A pedido do próprio jornal, a entrevista se tornou um artigo que, infelizmente, acabou não sendo publicado pelo veículo de comunicação.

Então, resolvi compartilhar o artigo que traz o histórico e traz meu posicionamento de porque a BDB já deveria estar com as suas portas abertas atendendo à população.

Em 2015, quando assumi a DLLLB — hoje transformada em departamento— a Biblioteca Demonstrativa de Brasília estava interditada; o andamento da obra, parado.

Foi muito difícil encontrar uma biblioteca fechada. O meu trabalho anterior consistia em mobilizar a sociedade civil e incidir na gestão pública de municípios e Estados exigindo que as bibliotecas tivessem apoio e não fechassem suas portas.

O primeiro obstáculo foi entender os processos que fizeram a biblioteca fechar. Conversei com servidores que estavam desestimulados (com toda razão), cansados de esperar uma solução que era sempre adiada. Depois, foi a hora de buscar uma forma jurídica de conseguir terminar a obra e desinterditar a biblioteca.

O que aconteceu foi que a BDB foi interditada pela Defesa Civil durante o período de transição da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) para a DLLLB. Por ser um problema considerado emergencial pelos técnicos que analisaram o prédio, a FBN fez um contrato emergencial com a Contenge um pouco antes dessa transição.

Isso foi virando um processo esquizofrênico: no meio do caminho, a BDB foi para a DLLLB e a obra ficou parada devido à ausência de técnicos na área de engenharia. Um contrato emergencial tem o prazo máximo de seis meses (a vigência deste contrato era de 05/08/14 a 31/01/2015) e não pode ser prorrogado. Então, a empresa começou a fazer a reforma mas, devido à transição e à falta de verba, não conseguiu terminar no tempo previsto.

A partir de 2015, várias providências foram tomadas para dar andamento ao processo de suspensão da interdição do prédio. Fizemos um esforço junto à consultoria jurídica do MinC para resolver esse impasse. Conseguimos provar que tanto a empresa como a sociedade estavam tendo prejuízos com a biblioteca fechada: o material para a reforma já tinha sido comprado, a empresa tinha equipamentos dentro da obra que não podiam ser retirados porque o prédio da biblioteca estava embargado etc.

Conseguimos fazer um contrato que devolvia o prazo de 120 dias para a empresa terminar a obra, já que tinha sido prejudicada pela transição da DLLLB, e pagar o valor que estava estipulado no contrato de 2014. Ou seja, sem onerar os cofres públicos. E assim, no dia 15 de abril de 2016, foi assinado o contrato de retomada da obra.

Eu tinha criado um grupo de trabalho para repensar o papel da BDB. O projeto era transformá-la numa biblioteca-laboratório para todas as bibliotecas brasileiras. Seria um espaço que iria experimentar novos conceitos e serviços, e rediscutir o papel da biblioteca no país. Também estávamos desenvolvendo um projeto em parceria com a Fundação Bill & Mellinda Gates.

Já tínhamos escolhido o novo coordenador da BDB e estávamos só esperando a aprovação da Casa Civil – inclusive, a primeira pessoa que eu tinha convidado para coordenar a BDB foi o próprio Cristian Brayner, hoje diretor do DLLLB.

Uma biblioteca não precisa ser totalmente fechada e os seus serviços paralisados para fazer reformas e mudanças (somente em casos extremos que exponham os usuários a algum risco), isso é má gestão do equipamento. Existem maneiras de lidar com essa situação, sem deixar a população alijada do acesso à informação, ao conhecimento e à ficção.

Tínhamos uma grande certeza: assim que fosse desinterditada em 2016, a biblioteca abriria as portas à comunidade.

Volnei Canônica é formado em Comunicação Social – Relações Públicas pela Universidade de Caxias do Sul, com especialização em Literatura Infantil e Juvenil também pela Universidade de Caxias do Sul, e especialização em Literatura, Arte do Pensamento Contemporâneo pela PUC-RJ. É diretor do Centro de Leitura Quindim e ex-diretor de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, do Ministério da Cultura. Coordenou no Instituto C&A de Desenvolvimento Social o programa Prazer em Ler. Foi assessor na Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Na Secretaria Municipal de Cultura de Caxias do Sul, assessorou a criação do Programa Permanente de Estímulo à Leitura. o Livro Meu. Também foi jurado de vários prêmios literários.

[12/05/2017 08:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Volnei Canônica rebate informações sobre os livros do Porto Maravilha
Volnei Canônica voltou de Paraty e faz um balanço do que viu na Flip, dando especial enfoque nos debates sobre políticas públicas do livro realizados nos dias do evento
Em sua coluna, Volnei Canônica busca dar uma resposta a essa pergunta
Ilustradora brasileira ganhou prêmio na Coreia do Sul
Volnei Canônica analisa as últimas ações de incentivo à leitura e ao livro realizadas pela Prefeitura de São Paulo e conclui: 'o que vimos é que Doria e sua equipe engataram a marcha ré'
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Felipe Lindoso esteve no evento literário realizado no interior de Minas Gerais e conta como foi
Em sua coluna, Paulo Tedesco defende que é preciso resistir. "E resistir, no mundo do livro, é o mesmo que fincar pé nas coisas simples e cotidianas, entre elas a defesa da cultura laica e pacífica",
Em sua coluna, Felipe Lindoso fala sobre a Flicristina, festa literária que começa hoje no sul de Minas
Felipe Lindoso analisa do Censo do Livro Digital divulgado realizado pela Fipe
Quero que meus livros penetrem em lugares que ainda não penetraram.
Paulo Coelho
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar