Publicidade
Publicidade
Obstinatum Rigore
PublishNews, Paulo Tedesco, 13/02/2017
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala que uma boa pesquisa, bem embasada, faz a diferença na busca pelo 'rigor obstinado' de escritores

O termo latim Obstinatum Rigore ou “rigor obstinado” é cláusula irrevogável de um bom trabalho. A ausência de rigor num texto de qualquer área pode condenar de imediato o que poderia vir a ser uma boa obra, e nesses tempos de avalanchas de conteúdo, perder um leitor, ainda que alguém mais tolerante, não é um tipo de luxo dos mais recomendados.

E o que no texto escrito seria esse “rigor obstinado”? E para a ficção? Haveria manual para isso? Haveria profissionais a resolver? Sem querer bancar o oráculo, é bom trilhar o usual: depende muito dos objetivos do autor, e que pode ser também um editor, afinal a variedade de gêneros não é nada pequena, com não é pequeno o universo de leitores a que dirigimos um livro.

Muitos gostam de comparar, não sem razão, um bom livro a um bom vinho envelhecido e de vinhas bem cuidadas, ou não necessariamente velho, mas de uvas cuidadas e tratadas com gentileza extrema. Phillip Roth*, por exemplo, afirmava escrever cem ou mais páginas e delas retirar excertos que considerasse fundamentais para depois queimar as sobras de mais de cem páginas escritas. Esse pode ser um primeiro caminho na busca do nosso Obstinatum Rigore.

Acredite: um bom editor como um bom crítico sabe já nas primeiras frases de um livro se ali houve a obstinação pelo rigor. E, por conta disso, talvez principalmente por isso, é que um grande número de originais é recusado diariamente pelas editoras mais sérias e por críticos, e inclusive desmerecendo autopublicações que poderiam até se tornar boas obras.

Nesse contexto, lembro que se há algo para além do exercício da reescrita, esse algo é a pesquisa exaustiva sobre o tema abordado. O que serve igualmente para a ficção na busca de sua verossimilhança externa. Uma boa pesquisa, e bem embasada, faz a diferença.

Uma vez que cada área do conhecimento tem seu rigor, como cada pessoa tem sua maneira particular de conduzir suas coisas, quando se trata de texto, de tinta ou pixel preto ou sobre fundo branco, tudo fica um pouco diferente e as exigências devem se tornar ainda maiores. Não por coincidência o diálogo entre tradutores e leitores sobre a produção de um livro é curiosamente intenso nas redes sociais; eles, os bons tradutores, sabem dos limites para ter um trabalho razoavelmente bom.

E falando em tradução, o rigor nessa área é famoso, pois a traição de um clássico pode significar a traição de uma escola literária e de uma legião de leitores. E talvez a melhor pessoa para se falar do rigor possa ser mesmo um bom tradutor, pois o trabalho intenso em diferentes línguas bem como bibliografias exaustivas e o compromisso com o resultado, geralmente de forma anônima, são os divisores de águas na cultura de um país.

Por fim, se o autor ou a editora não aprenderem a separar o que é realmente bom do que não é tão bom, o esforço por uma obra ou de uma empresa editorial pode nascer condenada. E o que poderia vir a ser um dia recuperado, poderá ser tarde demais para muitos e inadiáveis sonhos.

*Philip Roth é autor de Complexo de Portnoy entre outros e a história de sua técnica de produção foi retirada do livro Os Escritores 2 – As Históricas Entrevistas da Paris Review, Companhia das Letras, 1989.

Paulo Tedesco é escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

[13/02/2017 08:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em novo artigo para a sua coluna no PublishNews, Paulo Tedesco declara seu amor à ficção: ‘a boa ficção salva o homem do horror’
Paulo Tedesco fala sobre as recentes notícias do mercado editorial e o impacto na venda de livros
Paulo Tedesco sobre o uso de e-books gratuitos na divulgação de um livro: 'Novos autores não podem ficar doando em prol de cadastros, promoções e outras invencionices, seu ouro maior'
Em sua primeira coluna de 2017, Paulo Tedesco debate sobre alguns caminhos da divulgação de livros de autores autopublicados
A partir da obra de Lima Barreto, Paulo Tedesco analisa a postura de muitos acadêmicos frente a autores autopublicados
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em novo artigo para a sua coluna no PublishNews, Paulo Tedesco declara seu amor à ficção: ‘a boa ficção salva o homem do horror’
Em seu artigo, Bernardo Gurbanov faz uma análise sobre as boas e más notícias sobre o mercado editorial brasileiro
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Daniela Kfuri defende que essa máxima deveria estar em desuso e que a performance de um livro depende de toda a cadeia: desde o autor até o livreiro
Meu trabalho é o de fazer vadiagem com as palavras.
Manoel de Barros
Poeta brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar