Publicidade
Publicidade
Mortos e feridos
PublishNews, Bernardo Gurbanov, 31/01/2017
Em sua coluna, Bernardo Gurbanov faz uma reflexão sobre o processo de 'hiperconcentração' do mercado editorial mundial

Bem que meu professor de contabilidade advertia, apesar das nossas risadas e deboches: o capital não tem nacionalidade!!

Já se passaram 50 anos e devo admitir que não estávamos preparados para entender tão polêmica afirmação.

Só com o avanço da globalização e da nossa paulatina percepção é que a frase começou a fazer sentido.

Eis que o tempo não para, não é mesmo Cazuza? A evolução da tecnologia também não.

Poucos, nas duas últimas décadas do Século XX embaixo da linha do Equador, conseguiram vislumbrar o alcance das mudanças que começavam a tomar corpo.

Corpo de corporações. Corpos tentaculares, espetaculares, particulares. Vide os conglomerados que atualmente dominam a cena da indústria editorial.

Na segunda década do Século XXI, cinco, somente cinco grupos editoriais são responsáveis por 50% da produção de livros no mundo.

No âmbito local, cinco, somente cinco empresas, sendo três do mesmo grupo, faturam mais de 80% das compras do PNLD e uma, somente uma detém 25% de participação no setor de livrarias.

Lá vem ele de novo com a ladainha da hiperconcentração.

Sim.

E no Brasil, o que será, que será... que podemos esperar para, digamos, os próximos três anos? Me diga, por favor seu Chico Buarque.

Óbvio, o final da década.

Que mais? Mais do mesmo.

Explico, mesmo não sendo meu nome nem Freud nem Google, muito menos Enéas.

Com mais do mesmo quero dizer, mais concentração de capitais, mais fluxo de investimentos estrangeiros e em contrapartida, mais micro e médios empreendimentos.

Mas como, seu professor não afirmava que o capital não tem nacionalidade.? Que história é essa de investimentos estrangeiros?

Pois é, leitor. Quem sabe, leitores.

O capital tem os sentidos afiados e vai onde tiver que ir para saciar suas necessidades básicas, dentre elas o lucro que, diga-se de passagem, não é pecado segundo os dez mandamentos do capitalismo.

O Brasil seduz pelo tamanho do seu mercado, não pelo seu documento.

O Brasil, mesmo atravessando uma crise sem precedentes, continua oferecendo boas possibilidades de investimento de longo prazo.

Ficam no caminho mortos e feridos no embate entre concentração e fragmentação.

Outros corpos e corporações preenchem esses vazios.

De novo o capital desta vez aliado à sabedoria popular: o capital não desaparece, só muda de mãos. A cada dia menos mãos.

Em quanto algumas editoras, distribuidoras e livrarias colapsam, outras emergem e até se fortalecem.

Um cenário com menos atores nos espera, lamento.

Uma plateia com mais leitores nos espera, espero, caso as políticas públicas alcancem a tão mentada educação de qualidade.

Leitores de leituras fragmentadas, sim. Leituras multiplataforma em um mundo no qual a palavra editor não necessariamente estará associada somente ao papel.

E as livrarias?

Não me surpreenderia testemunhar o início de um processo de verticalização, isto é, do autor ao leitor, as editoras melhor posicionadas e os grupos multinacionais terão seus próprios pontos físicos comercializando livros até dos concorrentes, assim como já utilizam os canais online, redes sociais e participam em feiras do livro e festivais literários.

Que tal dar uma espiada na Gallimard na França e na Feltrinelli na Itália? Quem sabe encontramos uma pista para resolver este enigma.

Quanto ao vendedor de livros, seja em lojas de shopping ou de rua ou ainda fazendo parte dos exércitos invisíveis que vendem porta a porta país afora, o constante aprimoramento nas técnicas de venda e na formação enciclopedista continuam essenciais para alcançar o sucesso profissional ou pelo menos a sobrevivência.

O universo leitor em expansão agradece.

Bernardo Gurbanov é presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL), proprietário da Editora Letraviva e primeiro vice-presidente do GIE (Grupo Iberoamericano de Editores). Para conhecer mais sobre sua história livreira e de vida, leia aqui mesmo no PublishNews matéria A saga dos livreiros Gurbanov na Argentina e descubra porque ele é nosso argentino brasileiro predileto.

[31/01/2017 08:54:14]
Publicidade

O Prêmio Avena PublishNews é uma realização da International Paper e do PublishNews com o objetivo de reconhecer os livros mais vendidos de 2016 e os profissionais de vendas e marketing por trás destes sucessos de prateleira. Trata-se do primeiro prêmio direcionado especificamente para aqueles que cuidam da comercialização dos livros. A cerimônia de premiação acontecerá em São Paulo, no dia 29 de março, com apoio da Unibes Cultural. São cinco categorias baseadas nos números de vendas da lista anual de mais vendidos de 2016, além dos prêmios de Livro Mais Vendido do Ano, Editora do Ano, Profissional de Marketing e Vendas do Ano e a láurea especial Prêmio PublishNews Avena de Contribuição ao Mercado Editorial.

Leia também
Em seu artigo, Bernardo Gurbanov faz uma análise sobre as boas e más notícias sobre o mercado editorial brasileiro
Gurbanov: 'sem apoio efetivo de políticas de Estado, o comércio varejista de livros deve reivindicar seu lugar também como espaço de mediação no processo de estímulo ao hábito da leitura'
Em sua coluna, Bernardo Gurbanov fala sobre suas impressões da XX Feira Pan-Amazônica do Livro
Bernardo Gurbanov, presidente da ANL e argentino, faz um balanço da Feira do Livro de Buenos Aires, encerrada nesta segunda-feira (09)
Cuba teve um incontestável sucesso na formação de um país de leitores. Agora não pode perder a oportunidade de promover sua revolução em matéria de acesso às novas tecnologias de comunicação, de infor
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Autora questiona o uso da palavra 'descobertabilidade' em chamada do PN. Felipe Lindoso explica o que é 'descobertabilidade' e provoca os leitores a acharem termo melhor.
Paulo Tedesco fala, dessa vez, sobre a poesia, 'o mapa da condição humana'
Em sua coluna, Felipe Lindoso fala sobre a pertinência da obra de Margaret Atwood
Completando a série sobre a África, Octavio Kulesz fala sobre a realidade das editoras na era digital, sobre autopublicação e impressão por demanda
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a impressão por demanda e seus impactos na autopublicação
Viver é fazer poesia
Leide Moreira
Poeta brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar