Publicidade
Publicidade
CAPA, uma das primeiras publicações de quadrinhos independentes, faz 40 anos e comemora com festa em SP
PublishNews, Silvio Alexandre, 13/01/2017
Conheça a história da revista de quadrinhos idealizada por um grupo de jovens em 1976

Elas já foram chamadas de quadrinhos "underground", "udigrúdi", fanzines, zines, publicação alternativa, entre outros. Hoje são conhecidas como quadrinhos independentes. Claro que cada publicação tem suas características próprias e finalidades específicas, mas são basicamente obras publicadas pelos próprios autores, sem relação direta com as editoras. Durante as últimas quatro décadas, se tornaram porta de entrada no mercado editorial e possibilitaram a profissionalização da maioria dos quadrinistas que surgiram.

Atualmente, o mercado brasileiro de quadrinhos independentes cresce de forma sólida e constante graças às iniciativas de financiamento coletivo, de leis de fomento à produção ou de pequenas editoras que incentivam a produção nacional. É só conferir os números da última Comic Con Experience (CCXP), o maior evento de cultura pop do país, que reuniu mais de 460 artistas, entre grandes nomes dos quadrinhos e novos talentos, dispostos em mesinhas no Artists Alley, o tradicional Beco dos Artistas.

Uma das primeiras publicações independentes de quadrinhos no Brasil foi a revista CAPA. Ela começou a surgir em meados de 1976, quando um grupo de alunos da Universidade Mackenzie, formado por Gualberto Costa (Gual), Antonio Barreto (Toninho), Ricardo Dantas (Cadinho), Ricardo Van Steen e Luiz Antonio Cruz resolveu criar uma revista de quadrinhos.

Primeira edição da Revista 'Capa', publicada em 1976 | © Divulgação
Primeira edição da Revista 'Capa', publicada em 1976 | © Divulgação

O grupo tinha em comum o gosto pelo desenho e a admiração pelos quadrinhos. A influencia maior foi a experiência pioneira da revista O Balão, criada por Laerte Coutinho e Luiz Gê, dupla que no início dos anos setenta, abriu as portas para o “faça você mesmo”. Com isso, o grupo decidiu trilhar o mesmo caminho para romper com o modelo de quadrinhos vigente à época.

Terceira edição da Revista de quadrinhos 'Capa' | © Divulgação
Terceira edição da Revista de quadrinhos 'Capa' | © Divulgação
O Balão era vendido de mão em mão pelos próprios autores ou era deixado em consignação em algumas poucas e raras livrarias especializadas. Suas histórias em quadrinhos deixaram de ser direcionadas exclusivamente para o público infantil ou adolescente e adquiriram conteúdo crítico, iniciando a gênese dos modernos quadrinhos adultos brasileiros.

Assim, segundo Gualberto Costa (Gual), atual presidente do Instituto do Memorial das Artes Gráficas do Brasil (Imag), “o primeiro passo foi procurar os veteranos da revista Balão, que estudavam na universidade (Sian, Alcy, Miadaira, Mauricio Moura, Magnani e Dirceu Amadio), mas infelizmente já tinham se formado. Nós juntamos, então, mais dois jovens com os mesmos ideais que não estudavam lá (Willians Miguel e Gino Sérgio) e, no inverno de 1976, fizemos a primeira revista CAPA, a de nº Zero, com apoio financeiro do Diretório de Arquitetura”.

Feito isso partiram pelas ruas de São Paulo, em portas de teatro, cinemas, barzinhos, faculdades, vendendo a revista de mão em mão. O objetivo era vender toda a edição para bancar a próxima. Com o dinheiro em caixa e com um grupo um pouco maior, arregaçaram as mangas e começaram a fazer a nº 1, que teve a participação especial de Chico Caruso e Claudius do Pasquim, sendo lançada em 1977.Em 1978, saiu a nº 2 e no ano seguinte, a nº3. Contaram com a participação especial de Sian, Xalberto, Lu Gomes e Bob Navarro, além de publicarem pela primeira vez os trabalhos de artistas, hoje consagrados, Maringoni, Caó e Cesar Lobo.

Nessa época duas novas experiências aconteceram, lembra o Gual, “organizamos a primeira exposição de quadrinhos independentes no Brasil e começamos a vender não só a nossa revista, como outras independentes de vários estados, em uma mesinha nas feiras da Vila Madalena”.

Em 1980, depois de uma acirrada partida de futebol entre as equipes do Balão e da Capa, mesmo pronta, a revista nº 4 acabou não saindo e cada um foi para o seu lado, seguindo rumos diferentes.

Partida de futebol entre as equipes das revistas O Balão e Capa, em janeiro de 1980. Em pé, da esquerda para a direita: Gino, Cruz, Gual, Willians. Agachados: Cadinhos Xavier e Toninho | © Gualberto Costa
Partida de futebol entre as equipes das revistas O Balão e Capa, em janeiro de 1980. Em pé, da esquerda para a direita: Gino, Cruz, Gual, Willians. Agachados: Cadinhos Xavier e Toninho | © Gualberto Costa

Agora, para comemorar e relembrar os 40 anos da publicação, o grupo da revista CAPA resolveu se reunir e promover uma festa que pretende ser histórica. E para os 100 primeiros que chegarem será entrega gratuitamente um conservado exemplar da época.

A festa acontece neste sábado (14), a partir das 19h, no bar La Barca (Praça Roosevelt, 226 - São Paulo / SP).

Silvio Alexandre é editor e gestor cultural com formação em Letras pela USP. Criou e dirigiu diversas coleções de literatura fantástica e de quadrinhos. É o criador do Fantasticon – Simpósio de Literatura Fantástica e é membro da Comissão Organizadora do Troféu HQMIX.

[13/01/2017 08:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em homenagem ao dia de nascimento de Jeronymo Monteiro, pai da Ficção Científica no Brasil, grupo de entusiastas propõe que o dia 11/12 seja o Dia da Ficção Científica Brasileira
Pesquisa apresentada durante o evento aponta que 86% dos 'geeks' usam seu tempo livre para ler e eles preferem o livro em papel
SESI-SP Editora aposta na Realidade Virtual para divulgar seus livros na Comic Com Experience
Nosso colunista Silvio Alexandre fez um apanhando dos eventos sobre literatura fantástica da Bienal e conclui que surge 'uma nova geração de autores nacionais' nesse segmento
Em sua coluna de hoje, Silvio Alexandre conta a história e o legado de Jeronymo Monteiro
Publicidade

O relatório Global eBook documenta e analisa como os mercados de livros digitais estão se desenvolvendo nos EUA, Reino Unido, Europa continental, Brasil, China, Índia e Rússia. Ele traz os melhores dados estatísticos disponíveis e descreve como os players globais e locais estão se saindo em cada mercado. A edição de 2016 do relatório está disponível para compra na loja brasileira da Amazon em versão para Kindle ou então no site www.global-ebook.com em PDF.

Outras colunas
Em sua coluna, Felipe Lindoso fala sobre a pertinência da obra de Margaret Atwood
Completando a série sobre a África, Octavio Kulesz fala sobre a realidade das editoras na era digital, sobre autopublicação e impressão por demanda
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a impressão por demanda e seus impactos na autopublicação
'Não é porque é digital, que é automático': Camila Cabete usa sua coluna para listar algumas ações e alguns cuidados que todos editores de livros digitais deveriam ter
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Só minto na hora exata da mentira. Mas quando escrevo não minto.
Clarice Lispector
Escritora brasileira
(1920 - 1977)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar