Publicidade
Publicidade
Um e-book de sucesso
PublishNews, Andre Palme,* 22/06/2016
André Palme responde ao colunista Paulo Tedesco e afirma que qualquer limitação a formato é considerar menos leitores e menos leitura

Vivo a leitura digital. Ela não é parte do meu trabalho, ela é meu trabalho. E dentro deste contexto escrevo esta resposta ao artigo "Um e-book de fracasso", publicado no PublishNews pelo colunista Paulo Tedesco no último dia 21/6.

Como apaixonado por leitura e tecnologia, há 2 anos resolvi assumir esse papel 100%, junto com outros amigos e profissionais: de mostrar que a leitura digital pode ajudar em muito na formação de novos leitores e na disseminação da leitura. Principalmente se unirmos leitura a um hábito já consolidado para a maioria das pessoas: o uso do ambiente digital. E, por favor, isto não é uma guerra de formatos, é uma batalha pela leitura.

Pra mim o maior equívoco é falarmos apenas de livro digital. Isto por si só já é uma limitação enorme nas possibilidades de leitores atingidos. Se limitarmos a leitura digital ao livro no formato que conhecemos, estamos apenas transpondo um mercado consolidado para um novo universo. É preciso pensar em como atingir o usuário mobile, aquelas 100 milhões de pessoas que olham para o telefone celular 150 vezes todo dia. Isso não acontecerá enquanto não pensarmos em criar ou adaptar conteúdos de leitura para a tela.

Dizer que a leitura digital não pode auxiliar, ou pior, tem a missão única e exclusiva de aniquilar a leitura física é o mesmo que dizer que o cartão de débito acabou com o dinheiro em papel. Não vejo desserviço à cultura em uma ferramenta que possibilita a capilaridade do acesso à conteúdos. Além disso, considerar que a queda no número de vendas dos e-readers significa queda na venda de e-books é o mesmo que dizer que se a venda de calculadoras (aquele aparelho que SÓ faz contas) diminuísse, significaria que as pessoas pararam de fazer contas.

Acho importante colocar aqui alguns números do universo do consumo mobile e da leitura digital:

  • 80% de todo acesso a dados no Brasil é mobile (fonte: IBGE)
  • Hoje são 100 milhões de smartphones ativos no Brasil; em 2013, eram 10 milhões (fonte: Anatel)
  • As pessoas olham o smartphone 150 vezes por dia, todos os dias (fonte: Google)
  • O faturamento de livros digitais cresceu 21% em 2015 comparado à 2014 (fonte: FIPE)
  • O número de e-books vendidos subiu 4,2% em 2015 comparado à 2014 (fonte: FIPE)
  • As vendas de audiolivros subiram 30% no último ano (fonte: DBW)

Para dar alguns números públicos e dos quais tenho acesso sobre a leitura digital (independente se chamamos de livro ou não, porque em última instância deveríamos estar mais preocupados com o aumento na leitura e o consumo de conteúdo e não somente em que formato isto é realizado):

  • A uBook, plataforma brasileira de audiolivros, tem hoje 1 milhão de usuários ativos que ouvem em média 1,5 livros por mês;
  • A Nuvem de Livros, plataforma brasileira de leitura digital tem 2,5 milhões de usuários ativos;
  • Nós, aqui na Kappamakki O Fiel Carteiro, distribuímos conteúdos para 1 milhão de usuários por mês, dos quais 70% ou 700 mil usuários, são conteúdos de leitura digital;
  • Os números de vendas no KDP da Amazon, superam diariamente a casa de milhares de exemplares vendidos (o número exato é confidencial).

Segundo a Dosdoce: “Vários estudos internacionais publicados na Feira do Livro de Londres, assim como na Feira BookExpo em Chicago, indicam que as vendas dos e-books das editoras independentes e dos autores autopublicados de todo mundo estão tendo um comportamento digital muito diferente do que os dos grandes grupos editoriais”. Ainda segundo este estudo, “as editoras independentes e os autores independentes tem tido um crescimento de suas vendas entre 20% e 40%, enquanto os grandes grupos editoriais tiveram sua participação no mercado digital reduzida de 46% em 2012 para 34% em 2015, segundo a Nielsen”.

Se olharmos apenas o mainstream do mercado, ou seja, os grandes grupos editorias, veremos que houve sim uma redução na venda de livros digitais, o que não significa que a leitura digital estagnou ou está em queda; significa sim que todo ecossistema digital independente não é levado em consideração nas pesquisas oficiais, sem contar o fato de que os editores e autores independentes raramente são ouvidos quando estes dados são coletados ou quando se publica uma notícia “oficial”. Se nas pesquisas publicadas levássemos em consideração a auto-publicação, autores independentes, editoras independentes e iniciativas de leitura digital, estes números certamente seriam diferentes.

Quanto mais maneiras de levarmos conteúdo pra mais gente, melhor. Pra mim a lógica é essa. Qualquer limitação a formato é considerar menos leitores e menos leitura.

A música enfrentou desafios semelhantes há 15 anos atrás, com a pirataria, com os artistas publicando seus próprios álbuns e, talvez a mais impactante, com as grandes gravadoras perdendo o poder de decidir quem ia ou não para o mercado. No entanto, a música (aos trancos e barrancos, ok) se adaptou à distribuição digital do conteúdo, assim como o cinema e a TV. O mercado editorial também precisa fazer isso, ou vai continuar perdendo espaço para todas as outras indústrias culturais.

Mas, quem está preso a um único modelo e quer definir sozinho o que vai ou não para o mercado pode perder este bonde. Quem diz ou não se o conteúdo é bom é o leitor.

Condenar a autopublicação quando se é um autor com as portas abertas nas grandes editoras é fácil, difícil é mandar seu original centenas de vezes e não ter a oportunidade de ver seu conteúdo publicado. Que se publique, se é bom ou não os próprios leitores vão saber.


André Palme é sócio da editora mobile Kappamakki O Fiel Carteiro, que leva todos os meses conteúdos digitais para 1 milhão de usuários e está presente em modelos inovadores de leitura. Integra a comissão do livro digital da CBL e é co-organizador do Congresso Internacional do Livro Digital. Membro do coletivo de editores digitais AED, é ainda embaixador do Business Club da Feira do Livro de Frankfurt no Brasil. Apaixonado por leitura digital, André torce para a bateria do celular não acabar nunca.

André Palme é empreendedor já faz uma década. Apaixonado por livros e conteúdo, tem seu foco de atuação em desenvolvimento de negócios, marketing, universo digital e inovação. É sócio e Head Comercial do #coisadelivreiro, empresa de consultoria em marketing e negócios para o livro, em todos os seus formatos. Foi o primeiro embaixador do Business Club da Feira do Livro de Frankfurt no Brasil, além de palestrar em feiras nacionais e internacionais. Integra a comissão de negócios digitais da CBL e é mediador EAD na LabPub. Também é sócio da GetBots, startup de conteúdo e chatbots e de uma pousada na beira da praia em Florianópolis. Além disso torce para a bateria do celular não acabar nunca.

[21/06/2016 18:12:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
No terceiro artigo da série Marketing e outras coisitas mais, André Palme fala sobre a importância da estratégia e do planejamento numa campanha de marketing
Em novo artigo da série 'Marketing, digital e outras coisitas mais', André Palme dá dicas de como fazer com que o consumidor invista o tempo livre dele em seu livro
André Palme começa, nesta quinta-feira, uma série de artigos que vão tratar das diversas ferramentas que podem ajudar editoras e livrarias a se posicionar no mundo digital
André Palme já está na Alemanha para a sua terceira Feira de Frankfurt e ele aproveita para compartilhar algumas dicas para quem também vai acompanhar o evento
Em sua coluna, André Palme elenca seis oportunidades que livreiros, editores e autores podem ter no "universo digital" para ampliar as vendas de livros físicos
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
No terceiro artigo da série Marketing e outras coisitas mais, André Palme fala sobre a importância da estratégia e do planejamento numa campanha de marketing
Em seu artigo, Paulo Tedesco fala sobre doar livros ou não pagar autores. "Paguem pelos livros e deem cachês decentes aos autores",
Em sua coluna, Marcio Coelho relembra o primeiro Congresso do Livro Digital para concluir: tem espaço para todo mundo. Leitores não faltam, basta publicar para eles.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Às vezes, graças a uma saída do tom, conseguimos um efeito impensado e o livro avança em uma direção que desconhecíamos.
Alejandro Zambra
Escritor chileno
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar