Publicidade
Publicidade
Mesmo um trabalho, que parece diversão, merece ser remunerado
PublishNews, 02/09/2013
Uma organização alemã acaba de realizar uma enquete sobre a situação da ilustração e apresenta conclusões nas áreas de trabalho, remuneração e sobre a satisfação dos ilustradores no país

Por Sabrina Gab

Ilustrações influenciam as nossas vidas. Elas chamam nossa atenção para um determinado assunto, ou servem como explicação útil. Ajudam nossa imaginação a dar saltos. Na literatura infantojuvenil, são um instrumento poderoso de vendas, afinal temos os olhos acostumados com a mídia visual. Os ilustradores, que fizeram da tarefa de embelezar nosso mundo com imagens, têm que lutar para que o fruto de seu trabalho seja remunerado de forma adequada. Para Juliane Wenzl, da Diretoria Executiva da Organização dos Ilustradores em Leipzig, que conta com 1.300 associados: “Existe uma compreensão limitada de que aquilo que supostamente foi divertido fazer não merece receber uma remuneração”.

Direitos autorais e concessão de direitos de uso como importantes parâmetros

Ativa há 11 anos, a representante dos interesses dos ilustradores acaba de realizar uma enquete sobre a situação da ilustração na Alemanha e apresenta conclusões nas áreas de trabalho, remuneração e sobre a satisfação dos ilustradores na Alemanha.

Em relação àsatisfação com a profissão, pesam dois parâmetros: direitos autorais e concessão de direitos de uso. Segundo Wenzl, “a Organização dos Ilustradores é associada à Iniciativa dos Direitos Autorais, que reúne várias entidades de direitos autorais, empenhadas na manutenção das leis que regem estes direitos. A entidade tem voz ativa nos debates sobre direitos autorais na internet, trabalhos individuais e participação em possíveis mudanças nas normas“. Além disso a Organização dos Ilustradores posiciona-se em todos os setores do ramo do Conselho de Cultura. “Não cansamos de frisar que os ilustradores são autores de imagens, que recebem sua remuneração através da concessão de direitos de uso”, completa Wenzl.

O mercado de ilustração é mais difícil na Alemanha do que na França e nos Estados Unidos

Quando perguntados sobre a valorização de seu trabalho em comparação com o exterior, a França e os Estados Unidos são sempre mencionados pelos ilustradores como tendo condições mais favoráveis, tanto de mercado quanto de remuneração. A ilustradora berlinense Julia Friese disse: “Na França as editoras são bastante arrojadas e abertas a uma literatura infantil mais sofisticada. Há uma grande valorização de desenhos e livros ilustrados tanto para o público infantil quanto adulto”. Juliane Wenzl confirma que, tanto na França quanto na Bélgica, há liberdade maior de criação. Ela cita também a Suécia, como país onde a ilustraç goza de um bom incentivo e desfruta do sistema social sueco.

No que se refere à ilustração fora da Europa, Wenzl menciona os Estados Unidos como modelo. “Parece que nos EUA há uma infraestrutura para este mercado mais marcante do que na Alemanha. Lá há grandes conferências, que servem para incrementar o contato entre editoras, agentes literários e ilustradores”, comenta Wenzl.

O desenhista Reinhard Kleist tambémconfirma a dificuldade relativa para os ilustradores na Alemanha. O desenhista de quadrinhos diz que o costume visual alemão é o grande responsável, por exemplo, pela fotografia ser mais valorizada que a ilustração. Mas para Kleist e seus colegas autores de Graphic Novel é diferente, pois a Alemanha é atualmente um excelente local de trabalho nesta área. Segundo Kleist, “há dez anos a cena de quadrinhos alemã era mais sombria. Hoje muitas editoras estrangeiras se voltam para a Alemanha, pois sabem que ali acontece muita coisa.” Até editoras francesas se mostram extremamente interessadas nos desenhistas alemães – o Boxer de Kleist, por exemplo, ganhou o Grande Prêmio de Lion 2013 como melhor álbum. “Agora tenho livros em todas as partes do mundo – inclusive na China. Eu nunca teria imaginado isso em 2004”.

A internet permite um trabalho internacional aos ilustradores. É cada vez menos relevante a origem dos autores. Em tempos de rede internacional não faz sentido falar de tendências regionais. Por outro lado, segundo Wenzl, fica mais difícil avaliar o contratante, a infraestrutura e o uso em determinado país. O que fazer se um cliente da China não paga a conta? Como pode haver garantia jurídica para ilustradores alemães que trabalham no mercado internacional? “Estas serão algumas das questões que nos ocuparão cada vez mais no futuro”, esclarece Wenzl sobre as atribuições da Organização dos Ilustradores. Feiras como a Bienal do Livro Rio são um importante caminho para um encontro e conhecimento mútuo. Dia 7 de setembro às 15h30 no estande alemão, os ilustradores Ole Könnecke e Axel Scheffler, que vive e trabalha na Inglaterra, assim como seu colega brasileiro Roger Mello, falarão sobre ilustração na Alemanha, Inglaterra e Brasil.

A escala da remuneração vai desde ajuda social até cifras que chegam a seis dígitos

Na ilustração profissional, a remuneração varia muito. Alguns ilustradores, além de sua atividade para livros infantis e mídia de imagens, também trabalham como desenhistas de marketing para grandes empresas, para a indústria cinematográfica ou executam trabalhos como freelancers. Variam também a capacidade de negociar e tino comercial de cada um. Para Wenzl: “Muitos ilustradores investem corpo e alma no trabalho e esquecem que ilustrar é também uma profissão”.

Site da Organização dos Ilustradores: http://www.io-home.org

Sabrina Gab trabalhou como editora na Börsenblatt, o principal jornal do setor editorial na Alemanha. Atualmente trabalha como jornalista freelancer no Rio de Janeiro.

O negócio do livro na Alemanha vai bem – e é muito produtivo: cerca de 80 mil novos títulos são publicados todo ano, e as vendas geram um faturamento anual de 9,52 bilhões de euros. Mas quem são os atores no cenário do livro e do mercado editorial na Alemanha? Quais regras específicas se aplicam ao mercado alemão – do preço do livro ao Börsenverein? Em virtude da participação da Alemanha em 2013 como país convidado de honra na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, e do Brasil como país convidado de honra na Feira do Livro de Frankfurt no mesmo ano, a Feira de Frankfurt preparou uma série de artigos sobre o mercado editorial na Alemanha.

[01/09/2013 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
A Alemanha é o país homenageado no evento. Na coluna de hoje, um perfil de cada um dos escritores convidados.
A Alemanha é o país homenageado no evento. Na coluna de hoje, um perfil de cada um dos ilustradores convidados.
Katharina Storch, gerente de projeto da Feira de Livro de Frankfurt, fez um resumo da programação editorial especializada e cultural da Alemanha no Rio de Janeiro
Enquanto nos EUA o crescimento das vendas de e-book estagnou, na Alemanha ele continua dinâmico
Os Bestsellers alemães
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua coluna, Volnei Canônica defende a 'literatura do desserviço'
Ainda em celebração ao Dia da Consciência Negra, Volnei Canônica escreve artigo em que retoma a história da produção da literatura
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
Leio o que cai à mão até cair a mão.
Sidney Rocha
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar