Publicidade
Publicidade
A história de um clube do livro com 800 mil sócios
PublishNews, 07/12/2012
A história de um clube do livro com 800 mil sócios

Uma das histórias mais interessantes do mercado editorial brasileiro é a do Círculo do Livro. Criado em 1973, era uma editora que funcionava como um clube no qual os sócios recebiam periodicamente uma revista promocional com o acervo e os lançamentos, tinham uma quota obrigatória para comprar e eram atendidos a domicílio por uma rede de vendedores – sendo que os livros era muito bem editados editorial e graficamente e seus preços estavam abaixo dos valores usuais de mercado.

O Círculo, que tinha como sócios as editoras Abril e Bertelsmann, chegou a 250 mil sócios em 1975, 500 mil em 1978 e 800 mil em 1983, presente em 2.850 municípios que eram atendidos por uma rede de 2.600 vendedores. Em 1982 foram vendidos 5 milhões de exemplares de livros, segundo dados do historiador Laurence Hallewell, em O Livro no Brasil: Sua História, que acaba de ganhar uma edição de bolso pela Edusp. O maior sucesso do Círculo foi o livro As Melhores Receitas de Cláudia, com 200 mil exemplares vendidos entre 1975 e 1990.

A história do Círculo do Livro é apenas um pequeno registro nas pesquisas de Hallewell, cujo livro é uma obra de referência para os que querem conhecer a história da indústria editorial brasileira, suas linhas editoriais e autores, sua vida econômica, suas conexões e injunções políticas e culturais, desde o período colonial até a atualidade e com excelentes capítulos sobre o século 20 e algumas celebradas editoras do país, entre elas a Brasiliense, a José Olympio e a Civilização Brasileira. Um índice remissivo detalhado permite localizar qualquer informação específica.

O Livro no Brasil, originalmente uma tese de doutorado concluída em 1975 na Inglaterra (quando pouco se escrevia sobre história editorial) e publicado em inglês em 1982 pela The Scarecrow Press (com o título de Books in Brazil. A history of the publishing trade), foi primeiro lançado no Brasil em coedição da Edusp e T. A. Queiroz em 1985; depois, teve uma segunda edição revista e ampliada (e ilustrada) pela Edusp em 2005 (é curioso como a palavra publishing trade, remetendo a comércio e negócio editorial, ficou de fora do título brasileiro desde a primeira edição em português).

Entre as várias qualidades a destacar da pesquisa de Hallewell pode-se citar a sua abrangência realmente nacional, pesquisando o movimento editorial nos mais diversos estados e regiões brasileiras; o extensivo e didático uso de dados numéricos e estatísticos sobre tiragens, circulação, exportações e importações, custos, preços, com um tratamento cuidadoso de história econômica e, igualmente, a relação entre as editoras, como empresas, e sua produção intelectual e literária.

Quanto ao Círculo do Livro, sua receita editorial se sustentava em vários pilares interessantes: os livros eram muito bem acabados graficamente, com capa dura e ótimo design; havia opções realmente para todos os gostos e sempre novidades em todas as seções da revista, inclusive lançamentos em parceria com outras editoras, e a revista era bem produzida e com boas resenhas dos livros.

Tenho memórias muito precisas dos anos 1970, de adolescência, quando meu irmão era sócio. A revista era trimestral e, se não me engano, o sócio escolhia dois livros por trimestre: um de livre escolha e outro dentro de uma lista pré-selecionada, mas que evidentemente era diversificada (não sei se este sistema vigorou por toda a existência da editora). Eu ficava dias folheando a revista e fazia também as minhas encomendas, em especial livros de espionagem, romances policiais e políticos. A chegada do vendedor, com as encomendas e o novo exemplar da revista, era sempre um acontecimento, e imagino o impacto que tinha em centenas de cidades sem livrarias.

Olhando rapidamente os livros à mão, encontrei quatro edições do Círculo do Livro, cujo formato compacto, capa dura e chamativa os torna inconfundíveis. São eles: Os Sobreviventes. A Tragédia dos Andes, de Piers Paul Read; Arquipélago Gulag 1918-1956, de Alexandre Soljenítsin; Conspiração Telefone, de Walter Wagner, e Mundo Jovem, os premiados do 1º concurso literário infanto-juvenil do Círculo do Livro, de 1979, com prefácio de Jorge Amado, no qual ele escreve que o Círculo do Livro é “uma impressionante realidade em nosso mercado editorial, um clube de livros que alcançou audiência jamais vista entre os leitores brasileiros”. O júri foi composto por Millôr Fernandes, Ruth Rocha, Fanny Abramovich, Antônio Aguiar Negrini e Raymond Cohen, que dirigia o Círculo do Livro. O livro incluía os vencedores da categoria 7 a 11 anos!

A trajetória do Círculo do Livro, empreendimento empresarial bem sucedido, é parte de uma história ainda pouco conhecida de clubes semelhantes, entre elas a Biblioteca do Exército – Bibliex (fundada em 1881 e atuando como editora desde 1937, segundo o seu site), que merece ser melhor estudada em sua organização e relação com os sócios. Outro clube estruturado lembrado por Hallewell foi o Clube do Livro, fundado em 1943, com uma produção de um título por mês e que atingiu 50 mil sócios em 1969.

Difícil não imaginar que clubes do livro vão ressurgir nos próximos anos, como opção aos que cultivam o livro impresso, sejam confrarias pequenas de aficionados ou clubes mais estruturados economicamente, que atendam a gostos e interesses que a oferta digital centrada nos grandes negócios não vai atender.

Roney Cytrynowicz é historiador e escritor, autor de A duna do tesouro (Companhia das Letrinhas), Quando vovó perdeu a memória (Edições SM) e Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial (Edusp). É diretor da Editora Narrativa Um - Projetos e Pesquisas de História e editor de uma coleção de guias de passeios a pé pela cidade de São Paulo, entre eles Dez roteiros históricos a pé em São Paulo e Dez roteiros a pé com crianças pela história de São Paulo.

Sua coluna conta histórias em torno de livros, leituras, bibliotecas, editoras, gráficas e livrarias e narra episódios sobre como autores e leitores se relacionam com o mundo dos livros.

[06/12/2012 22:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Roney Cytrynowicz parte da polêmica lei polonesa que quer incriminar quem se referir aos campos de extermínio como poloneses e não nazistas para falar de dois livros essenciais para entender a questão
O que significa, em 2018, manter uma publicação impressa como o Almanaque Pensamento, que tem exatas 200 páginas de previsões astrológicas e outras previsões para todos os dias do ano?
Em sua coluna, Roney Cytrynowicz conta a história da escritora japonesa Mitsuko Kawai e a sua relação com a Biblioteca Amadeu Amaral localizada no bairro paulistano da Saúde
Em sua coluna, Roney Cytrynowicz pega carona no relançamento de 'A chave do tamanho', de Monteiro Lobato, pelo selo Globinho, para fazer uma reflexão do mundo atual
A partir de Primo Levi e Anne Frank, Roney Cytrynowicz analisa a difusão da fotografia do menino Omran Dagneesh dentro de uma ambulância após ser ferido no bombardeio de Alepo
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se preservar o legado literário
Cindy Leopoldo: as listas dos mais vendidos 'contém dados atualizadíssimos sobre o que é a literatura brasileira e até mesmo o que é ser brasileiro hoje'
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Marcio Coelho fala sobre as diferenças e semelhanças entre o livro e a barata e questiona: onde encontrar refúgio os problemas atuais? no primeiro ou no segundo?
Para Shatzkin, dois fatores colaboram para a crise da maior livraria nos EUA: as vendas, cada vez mais, acontecem via internet a autopublicação tira uma fatia importante do comercio tradicional
O grande autor é justamente o que consegue provocar reflexão.
Joca Terron
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar