Publicidade
Publicidade
Cansados do livro álbum?
PublishNews, 03/12/2012
Uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucess

Em recente coluna, publicada na Revista Emília, Ana Garralón levanta uma questão importante: a forte presença do livro ilustrado no mercado do livro infantil em detrimento de livros direcionados a um público que já domina a leitura. Embora não devamos perder de vista o contexto, pois nem em todos os países os mercados obedecem o mesmo comportamento, as mesmas regras, ela levanta uma polêmica que toca em uma das questões essenciais do livro infantil e juvenil contemporâneo.

Acabo de chegar da Feira de Guadalajara, de onde saí com uma imagem do mercado latino americano – e por extensão espanhol, uma vez que este se desdobra e está presente em praticamente todos os países do nosso Continente. Assim como no Brasil, mas talvez de forma mais segmentada, a divisão é clara: os livros chamados juvenis, onde a narrativa dominante é o texto, são a presença dominante nas editoras com forte vocação escolar. Em muitas delas o livro ilustrado é apenas um detalhe, uma vez que não são de fácil adoção nas escolas.

Encontramos logo ao lado as chamadas editoras independentes, muitas delas reconhecidas pelo seu trabalho de edição exemplar e ousado. Nelas, o ponto forte, ao contrário da tendência das escolares, são os livros ilustrados, ou aqueles onde texto e imagem são parceiros. Livros com cores locais, de alta qualidade estética e já reconhecidos internacionalmente na vitrine da Feira de Bolonha.

Porém, há algumas exceções e tendências interessantes. De um lado, o investimento em livros de conhecimento, os informativos - livros ilustrados que possuem uma vocação “científica” e por vezes uma resolução poética tanto no conteúdo quanto nas ilustrações. Recuperam assim uma forte tradição editorial francesa que sempre se destacou neste segmento e que hoje também se desenvolve com força nos países asiáticos. Vale lembrar que o governo mexicano, um dos maiores compradores de livros da América Latina, sempre investiu muito neste segmento.

De outro, propostas editoriais independentes que, na contracorrente, publicam livros ilustrados, mas também apostam nos leitores mais maduros que dominam a leitura e exigem livros de maior fôlego. Um exemplo é a Editorial Babel da Colômbia com a sua coleção Frontera dedicada a leitores já críticos. Concebida como uma coleção “sem idade”, investindo em uma literatura, na fronteira, de qualidade estética e sem nenhum tipo de concessão, edições cuidadas, em formato que lembra os pockets, para serem propositalmente econômicos e poderem ser lidos por muitos. Há uma intencionalidade, um investimento no conteúdo que me parece uma reação saudável frente à defesa, muitas vezes desproporcional e sem limite, do livro como objeto. Principalmente quando este tipo de inversão é feita em conjunto com a produção de livros ilustrados de alta qualidade.

No caso do Brasil, uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucesso, na sua maior parte estrangeiras que, na onda de Harry Potter, fazem os jovens leitores correrem às livrarias. Se, por um lado, existe uma vasta produção de livros mais escolares, se produz também uma grande quantidade de livros ilustrados que cada vez mais são aceitos nos mais diferentes mercados.

Existem nichos que correspondem a diferentes mercados e o livro ilustrado aparece como uma das plataformas mais contemporâneas do livro infantil e juvenil. Daí a ênfase dos especialistas, mas não apenas deles, na busca para entender melhor a produção, recepção e possibilidades dessa nova linguagem onde texto e imagem se entrelaçam de forma orgânica. Principalmente porque a força da imagem atribui uma universalidade ao objeto livro que o texto e a língua dificilmente alcançam. Daí o rompimento mais fácil de algumas barreiras como as da idade.

Reconhecer isto não significa deixar de lado a importância do livro onde o texto, a narrativa (seja ela prosa, poesia, teatro) subsistem por si mesmos, ou a diversidade de gêneros e temas que atraem diferentes tipos de leitores e que podem incorporá-los ao mundo dos livros, da fantasia, do conhecimento e da reflexão. Isso, que parece óbvio, é de certa forma o tema do texto de Ana Garralón. Para além do foco centrado neste tipo de livros, uma das razões para essa ênfase resida no mercado e na enorme quantidade de publicações. Os diferentes nichos, a produção desenfreada de livros, colocam cada vez mais em evidência a diversidade de leituras e de leitores.

Estamos frente a um mercado que se torna cada vez mais complexo e que afeta todos os gêneros, em particular o do livro para crianças e jovens. Já falei disto em colunas anteriores, os conceitos e parâmetros que até pouco tempo davam conta deste universo, hoje são insuficientes. Os espaços para ganhar destaques são limitados, nesse sentido o livro ilustrado, o livro objeto ganha uma visibilidade que o livro só de texto não tem. A exceção de livros de autores reconhecidos, premiados, que não estão restritos a um único mercado, ou que viram filme ou outros produtos. Ou os que já vem com uma campanha que lhes garante lugar de destaque nas livrarias.

Concorrer com esses mecanismos, num mercado cada vez mais competitivo é progressivamente mais difícil. Isso faz pensar como se tornar visível e se destacar no meio de uma avalanche de publicações e estímulos, muitos deles, distantes do mundo editorial. Para os editores é fundamental ter claro o nicho e os mercados que se quer atingir e ser coerente com o seu público. Num mundo onde tudo é cada vez mais massificado e descartável, o caminho é acreditar na diversidade e complexidade humanas, acreditar na diversidade de leitores e na qualidade, que garante a permanência de algumas obras.

Dolores Prades é editora, gestora e consultora na área editorial de literatura para crianças e jovens. É membro do júri do Prêmio Hans Christian Andersen e curadora da FLUPP. É também coordenadora do projeto Conversas ao Pé da Página - Seminários sobre Leitura, e da área de literatura para crianças e jovens da Revista Eletrônica Emília. Sua coluna pretende discutir temas relacionados à edição e ao mercado da literatura para crianças e jovens, promover a crítica da produção nacional e internacional deste segmento editorial e refletir sobre fundamentos e práticas em torno da leitura e da formação de leitores. Seu LinkedIn pode ser acessado aqui.

[02/12/2012 22:00:00]
Publicidade

Venha participar da primeira edição do Pub-Livro! O Encontro PublishNews de Profissionais do Livro foi criado para reunir os melhores especialistas da indústria editorial local e discutir as tendências e desafios do mercado de livros com o público profissional e de estudantes. Com temas relevantes e atuais, a edição de Porto Alegre está com uma programação imperdível, com o tema "O passado, o presente e o futuro do livro e de sua indústria". O evento tem entrada franca, mas é necessário fazer uma pré-inscrição. Garanta já sua presença!

Leia também
Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola
A importância dos livros sem idade reside precisamente no fato deles ultrapassarem seus destinatários naturais e ampliarem seu escopo de leitores, graças a suas qualidades tanto formais como de conteú
O interesse por este tema tem sido também recorrente entre as solicitações de leitores da Revista Emília
Vários são os fatores responsáveis pelo crescimento do segmento de mercado dedicado a livros para bebês: o reconhecimento da importância da leitura para o futuro
O futuro dos livros ilustrados
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
Carlo Carrenho analisa os dois maiores mercados editoriais da América do Sul
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O verdadeiro escritor é predestinado à literatura e não o contrário, daí seu destino inevitável.
Autran Dourado
Escritor brasileiro

(1926-2012)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar