Publicidade
Publicidade
Será que no original é melhor?
PublishNews, 10/09/2012
Será que no original é melhor?

Autor de Neologismos indispensáveis e barbarismos dispensáveis, há muito esgotado, o médico Antonio de Castro Lopes (1827-1901) teria um chilique ao ver, hoje, a quantidade de palavras estrangeiras já assimiladas pelo português. Cultor radical do idioma e inimigo dos estrangeirismos tão comuns na fala do século XIX, ele deu-se ao trabalho de, a partir de raízes gregas e latinas, inventar palavras para substituir termos como “avalanche”, “feérico”, “cabotagem” – entre outros neologismos que não vingaram, acabou criando “cardápio”, que dizia ser preferível a “menu”.

Eu me lembrei do doutor Castro Lopes porque, ao traduzir livros de cozinha do inglês para o português, muitas vezes fico em dúvida entre usar o nome original de algum ingrediente ou seu correspondente em português de Portugal. Cranberry, maple e parsnip, por exemplo. Em Portugal, seriam oxicoco, bordo e nabo branco (ou pastinaca). No Brasil... bem, no Brasil não temos cranberries nem maple nem parsnip, muito menos oxicocos, bordo e pastinaca – ou alguém já viu isso à venda na feira, no supermercado? (Quem viu, por favor, me avise! Eu adoraria comer parsnip de novo para tirar a má impressão que tive na única vez em que ele apareceu no meu prato.) Se já incorporamos tão naturalmente muffins, cupcakes e shoyu, não seria o caso de continuar usando o nome original de ingredientes indisponíveis por aqui e, caso eles finalmente comecem a ser cultivados no país, então batizá-los devidamente em português do Brasil? Foi o que aconteceu com o blueberry, frutinha que hoje já existe à venda fresca e congelada como “mirtilo” – um nome, aliás, diferente do usado em Portugal, onde é “arando azul”.

Essa, como várias outras, é uma questão que precisa ser discutida entre editor e tradutor. Mas eu gostaria de saber também a opinião dos leitores, de quem consome livros de cozinha: vale a pena traduzir o nome de ingredientes desconhecidos entre nós, mesmo que, aportuguesados, continuem desconhecidos? Mais ainda: vale a pena manter em um livro receitas com produtos que não existem aqui, mesmo dando alguma dica de substituição?

*****     *****     *****     *****     *****     *****     *****     *****    

Dicionários temáticos e livros de referência são fundamentais para uma boa tradução. Eis alguns que uso com frequência:

Dicionário Tradutor de Gastronomia em Seis Línguas (Antonio Bellini Editora & Cultura, 240 pp., esgotado), de Roberta Malta Saldanha. Mais de 3 000 palavras em português, inglês, francês, alemão, italiano e espanhol.

Gastronomia de A a Z (Aleph, 352 pp., R$ 54), de Maria Genny Caturegli. Muito bacana porque, além de traduzir termos em inglês, francês, italiano e espanhol, descreve cada um e indica quando o preparo é típico dos Estados Unidos (como as batatas e o bife Delmonico, criados num restaurante de Nova York).

Glossário de Gastronomia Português-Inglês / Inglês-Português (Disal Editora, 192 pp., R$ 38), de Virginia Klie. Inclui expressões idiomáticas e falsos cognatos, entre outros extras.

O Grande Livro dos Ingredientes (Publifolha, 530 pp., R$ 99,90). Todo ilustrado, vai na linha do Ingredientes que cito abaixo – mas com muito mais informações, incluindo sugestões de uso e conservação e algumas receitinhas. Útil também por destrinchar técnicas de preparo e cozimento.

Ingredientes (H. F. Ullman, 384 pp., R$ 79,90), de Loukie Werle e Jill Cox. Belo livro ilustrado. Na minha conta, calculei mais de 2 500 ingredientes retratados e descritos em português de Portugal – incluindo capítulos não recomendados para estômagos fracos, com cortes explícitos de carnes, peixes e aves... Vantagem: todas as plantas aparecem com o nome científico.

The New Food Lover’s Companion (Barron’s, 830 pp., US$ 16,99). Excelente minienciclopedia culinária, em inglês.

A coluna Caderno de receitas fala sobre livros de cozinha: dos títulos editados no Brasil aos bons (e maus) exemplos estrangeiros; do trabalho envolvido nas traduções; da migração para as plataformas digitais e de muitos outros assuntos saborosos ligados a esse universo. Os textos de Gabriela Erbetta vão fechar a semana uma vez a cada quinze dias.

[09/09/2012 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Digital tem um grande terreno a conquistar no Brasil, mas tem alguém ensinando os leitores a usar tudo isso?
Parece que essa é também a temporada dos livros de receitas derivados de blogs de sucesso
Em sua viagem aos EUA, Gabriela Ebertta conta o que viu nas livrarias do lado de lá
Gabriela Erbetta dedica a sua coluna de hoje à grande Julia Child
Gabriela Erbetta conta como foi ler um mangá culinário
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Projeto de Lei que cria o Fundo Nacional Pró-Leitura é aprovado na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Volnei Canônica explica tudo sobre o que isso significa
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica usa sua coluna para falar sobre a cena da literatura infantil e juvenil dentro da premiação do Jabuti
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a qualidade da leitura dos brasileiros, podemos ler muito, mas "a realidade é de que lemos mal, e muito mal"
O livro infantil tem uma função muito importante, de formar um tipo de leitor que sabe sonhar.
Cadão Volpato
Jornalista e escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar