Publicidade
Publicidade
Será que no original é melhor?
PublishNews, 10/09/2012
Será que no original é melhor?

Autor de Neologismos indispensáveis e barbarismos dispensáveis, há muito esgotado, o médico Antonio de Castro Lopes (1827-1901) teria um chilique ao ver, hoje, a quantidade de palavras estrangeiras já assimiladas pelo português. Cultor radical do idioma e inimigo dos estrangeirismos tão comuns na fala do século XIX, ele deu-se ao trabalho de, a partir de raízes gregas e latinas, inventar palavras para substituir termos como “avalanche”, “feérico”, “cabotagem” – entre outros neologismos que não vingaram, acabou criando “cardápio”, que dizia ser preferível a “menu”.

Eu me lembrei do doutor Castro Lopes porque, ao traduzir livros de cozinha do inglês para o português, muitas vezes fico em dúvida entre usar o nome original de algum ingrediente ou seu correspondente em português de Portugal. Cranberry, maple e parsnip, por exemplo. Em Portugal, seriam oxicoco, bordo e nabo branco (ou pastinaca). No Brasil... bem, no Brasil não temos cranberries nem maple nem parsnip, muito menos oxicocos, bordo e pastinaca – ou alguém já viu isso à venda na feira, no supermercado? (Quem viu, por favor, me avise! Eu adoraria comer parsnip de novo para tirar a má impressão que tive na única vez em que ele apareceu no meu prato.) Se já incorporamos tão naturalmente muffins, cupcakes e shoyu, não seria o caso de continuar usando o nome original de ingredientes indisponíveis por aqui e, caso eles finalmente comecem a ser cultivados no país, então batizá-los devidamente em português do Brasil? Foi o que aconteceu com o blueberry, frutinha que hoje já existe à venda fresca e congelada como “mirtilo” – um nome, aliás, diferente do usado em Portugal, onde é “arando azul”.

Essa, como várias outras, é uma questão que precisa ser discutida entre editor e tradutor. Mas eu gostaria de saber também a opinião dos leitores, de quem consome livros de cozinha: vale a pena traduzir o nome de ingredientes desconhecidos entre nós, mesmo que, aportuguesados, continuem desconhecidos? Mais ainda: vale a pena manter em um livro receitas com produtos que não existem aqui, mesmo dando alguma dica de substituição?

*****     *****     *****     *****     *****     *****     *****     *****    

Dicionários temáticos e livros de referência são fundamentais para uma boa tradução. Eis alguns que uso com frequência:

Dicionário Tradutor de Gastronomia em Seis Línguas (Antonio Bellini Editora & Cultura, 240 pp., esgotado), de Roberta Malta Saldanha. Mais de 3 000 palavras em português, inglês, francês, alemão, italiano e espanhol.

Gastronomia de A a Z (Aleph, 352 pp., R$ 54), de Maria Genny Caturegli. Muito bacana porque, além de traduzir termos em inglês, francês, italiano e espanhol, descreve cada um e indica quando o preparo é típico dos Estados Unidos (como as batatas e o bife Delmonico, criados num restaurante de Nova York).

Glossário de Gastronomia Português-Inglês / Inglês-Português (Disal Editora, 192 pp., R$ 38), de Virginia Klie. Inclui expressões idiomáticas e falsos cognatos, entre outros extras.

O Grande Livro dos Ingredientes (Publifolha, 530 pp., R$ 99,90). Todo ilustrado, vai na linha do Ingredientes que cito abaixo – mas com muito mais informações, incluindo sugestões de uso e conservação e algumas receitinhas. Útil também por destrinchar técnicas de preparo e cozimento.

Ingredientes (H. F. Ullman, 384 pp., R$ 79,90), de Loukie Werle e Jill Cox. Belo livro ilustrado. Na minha conta, calculei mais de 2 500 ingredientes retratados e descritos em português de Portugal – incluindo capítulos não recomendados para estômagos fracos, com cortes explícitos de carnes, peixes e aves... Vantagem: todas as plantas aparecem com o nome científico.

The New Food Lover’s Companion (Barron’s, 830 pp., US$ 16,99). Excelente minienciclopedia culinária, em inglês.

A coluna Caderno de receitas fala sobre livros de cozinha: dos títulos editados no Brasil aos bons (e maus) exemplos estrangeiros; do trabalho envolvido nas traduções; da migração para as plataformas digitais e de muitos outros assuntos saborosos ligados a esse universo. Os textos de Gabriela Erbetta vão fechar a semana uma vez a cada quinze dias.

[09/09/2012 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Digital tem um grande terreno a conquistar no Brasil, mas tem alguém ensinando os leitores a usar tudo isso?
Parece que essa é também a temporada dos livros de receitas derivados de blogs de sucesso
Em sua viagem aos EUA, Gabriela Ebertta conta o que viu nas livrarias do lado de lá
Gabriela Erbetta dedica a sua coluna de hoje à grande Julia Child
Gabriela Erbetta conta como foi ler um mangá culinário
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em novo artigo, André Palme comenta a nova funcionalidade do Instagram e diz que lições a plataforma pode dar ao mercado do livro
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Marcio explica o porquê da sua ausência nas páginas do PN
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa recentes dados de pesquisas que mostram os hábitos de leitura nos EUA
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Quando escrevo um livro para jovens, só penso em contar uma boa história, clara e transparente, mas não me limito a pensar em um público infantil e juvenil.
Antonio Skármeta
Escritor chileno
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar