Publicidade
Publicidade
Notas sobre Bolonha
PublishNews, 26/03/2012
Notas sobre Bolonha

Comecemos pelo congresso Tools of Change for Publishing, o TOC. Foi o segundo ano de encontro em torno do livro digital infantil em Bolonha, assunto premente que reuniu no auditório 350 pessoas (100 a mais do que no ano passado) interessadas em respostas e definições. Em comparação a 2011, as novidades são poucas. Dos palestrantes às discussões, pouco se avançou em termos de respostas para algumas das questões centrais, como divulgação, definição do preço e, o que é mais fundamental, algum consenso sobre o que, afinal, deve ser esse livro.

O que se viu foram vários exemplos dos mais diversos formatos de experimentações em torno do universo, cada vez mais amplo, chamado de livro infantil digital. Na verdade, o leque se abre e nele cabem desde simples animações de livros, games, puros desenhos animados, até narrações interativas – uma infinidade de "testes", sendo que, na maioria das vezes, fica difícil identificar o livro e, principalmente, tudo o que até hoje constituiu a base de uma experiência leitora. A palavra de ordem é a de que é nisso que reside o futuro do livro e da leitura.

Sem querer me contrapor às tendências, já mais do que delineadas, gostaria apenas de reiterar a impressão de que continuamos apenas no início de um longo caminho. Para as grandes corporações que estão de fato investindo em novos formatos, a ideia da experimentação – da necessidade de abrir e explorar novos caminhos, sem uma preocupação imediata com os resultados – é bastante clara. O investimento é muito alto, as plataformas são diversas, as atualizações constantes. Para alguns, pegar carona na era digital e no livro infantil significa renovar o mercado em cima de produtos já existentes – basta pensar em alguns produtos da Disney ou em grandes licenças, que no meio de toda a gama de variedades colocam o livro como mais um item entre seus produtos, algo novo que talvez ajude a fazer a diferença de seu produto no mercado. Dentro do quadro de incertezas e indefinições, as experiências digitais com vocação educativa apresentam resultados mais palpáveis e revelam um universo de possibilidades efetivas e promissoras.

Uma rápida sondagem entre alguns participantes, depois do encontro, deixou clara a insatisfação de muitos diante da expectativa frustrada de ver questões práticas resolvidas e modelos de negócios desenhados. Tudo indica que os avanços efetivos em torno do livro digital infantil serão mais lentos que as demandas de crescimento do mercado. Porém, algumas intervenções, ao contrário do ano passado, se esforçaram em trazer para a realidade alguns dados que dão uma dimensão mais concreta da extensão e da natureza do livro digital infantil. (Recomendo a leitura da matéria de Thais Caramico, para o PublishNews.)

Bolonha Book Fair 2012

Talvez seja uma certa “acomodação” imposta pela forte crise europeia que – ao contrário do ano passado, quando muitos foram pegos de surpresa – fez recobrar um certo otimismo à Feira. Se não fosse pela redução de dois pavilhões e por alguns espaços vazios transformados em pequenas salas, nos anos anteriores ocupados por stands, talvez não ficassem tão evidentes os sinais da crise no mundo editorial. Porém, como no ano passado, muitos editores reduziram os dias de sua presença na feira, assim como o número de seus representantes. Alguns chegaram a dividir stands com mais editoras ou nem alugar.

No entanto, o mais incrível foi verificar como os opostos são colocados em evidência durante uma crise. Assim como também não houve muito espaço para o meio-termo. Numa feira em que as novidades e os projetos mais ousados puderam ser contados nos dedos de uma mão, duas coisas chamaram a atenção: de um lado, a forte presença de projetos comerciais; de outro, o sucesso de algumas editoras médias e pequenas, cujos catálogos vêm pautados por investimento em qualidade gráfica e literária.

O Brasil, mais uma vez, se destacou pelo seu stand e pela forte presença de autores, editores e ilustradores. Continuamos sendo a porta de entrada e o cartão de visita da América Latina. Dizer que o mundo olha para nós deixou de ser uma força de expressão. Em sete anos de Bolonha, foi a primeira vez em que testemunhei o interesse real de vários editores pela produção editorial brasileira. Quem pôde observar a movimentação nos stands, tanto no da FNLIJ como no das editoras, promovido pela CBL, percebeu a movimentação constante e o forte interesse despertado pelos livros lá expostos. Para vários autores e ilustradores que investiram na ida a Bolonha, a viagem valeu a pena e o resultado é o seguinte: a volta com perspectivas bem avançadas de futuros negócios.

Portugal, o país homenageado, nos brindou com uma exposição de ilustradores com muitas boas surpresas e algumas pequenas editoras novas que prometem. Comparado aos anos anteriores, me pareceu que havia menos jovens ilustradores pelos corredores e que o mural onde eles deixam seus contatos não ficou tão tomado. Provavelmente, este é mais um sinal da crise, assim como a desigualdade entre os expositores da mostra oficial dos ilustradores, uma das mais fracas dos últimos anos. Bolonha 2012 reitera a importância do álbum ilustrado como o suporte mais favorável à experimentação e ao diálogo cada vez mais rico, feito da união entre texto e imagem.

É visível como o cuidado com a qualidade se afirma como uma estratégia entre as editoras de maior destaque. Menos é mais, num mercado onde a produção descartável dá o tom também na edição do livro para crianças e jovens num mundo globalizado. Uma feira num mundo assolado pela crise, que pontua a importância da qualidade e do conteúdo, e que impõe prudência e economia nas escolhas – o que não é pouco para um mercado orientado pelo descartável e pelas novidades. Já fechando a agenda para 2013, preparem-se! De 25 a 28 de março, vale a pena a ida e a torcida, pois o Brasil deverá apresentar seu programa para 2014 quando será, pela segunda vez, país homenageado. Em tempo: vale a pena conferir o curso sobre ilustração para editores “A ilustração na literatura infantil e juvenil”, que começa em 7 de maio, na Universidade do Livro, UNESP. Para mais informações, visite o site.

Dolores Prades é editora, gestora e consultora na área editorial de literatura para crianças e jovens. É membro do júri do Prêmio Hans Christian Andersen e curadora da FLUPP. É também coordenadora do projeto Conversas ao Pé da Página - Seminários sobre Leitura, e da área de literatura para crianças e jovens da Revista Eletrônica Emília. Sua coluna pretende discutir temas relacionados à edição e ao mercado da literatura para crianças e jovens, promover a crítica da produção nacional e internacional deste segmento editorial e refletir sobre fundamentos e práticas em torno da leitura e da formação de leitores. Seu LinkedIn pode ser acessado aqui.

[25/03/2012 21:00:00]
Publicidade

Venha participar da primeira edição do Pub-Livro! O Encontro PublishNews de Profissionais do Livro foi criado para reunir os melhores especialistas da indústria editorial local e discutir as tendências e desafios do mercado de livros com o público profissional e de estudantes. Com temas relevantes e atuais, a edição de Porto Alegre está com uma programação imperdível, com o tema "O passado, o presente e o futuro do livro e de sua indústria". O evento tem entrada franca, mas é necessário fazer uma pré-inscrição. Garanta já sua presença!

Leia também
Uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucess
Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola
A importância dos livros sem idade reside precisamente no fato deles ultrapassarem seus destinatários naturais e ampliarem seu escopo de leitores, graças a suas qualidades tanto formais como de conteú
O interesse por este tema tem sido também recorrente entre as solicitações de leitores da Revista Emília
Vários são os fatores responsáveis pelo crescimento do segmento de mercado dedicado a livros para bebês: o reconhecimento da importância da leitura para o futuro
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
Carlo Carrenho analisa os dois maiores mercados editoriais da América do Sul
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Cresci no meio de livros, fazendo amigos invisíveis em páginas que se desfaziam em pó cujo cheiro ainda conservo nas mãos.
Carlos Ruiz Zafón
Escritor espanhol em 'A sombra do vento'
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar