Publicidade
Publicidade
Por que só se fala em e-books?
PublishNews, 31/01/2012
Nem leitores nem editores (e menos ainda as livrarias) estão prontos para o “desaparecimento” dos livros impressos

Porque eles encantam e assustam. Não só os leitores, mas principalmente os editores.

Os leitores (nem todos) se encantam com as novas possibilidades de armazenamento de sua biblioteca, a praticidade de comprar um livro a qualquer momento e de qualquer lugar. Os editores se encantam com o fato de poder colocar seus livros para vender mais rapidamente, para todo o país, sem precisar passar pelas etapas da impressão e da distribuição física (embora no formato digital existam ainda outras etapas que, dependendo do conteúdo do livro, podem levar quase a mesma quantidade de tempo).

Há, porém, coisas que assustam: nem leitores nem editores (e menos ainda as livrarias) estão prontos para o “desaparecimento” dos livros impressos e alguns acham que os e-books vieram justamente para isso. Não tenho como prever se coexistirão para sempre (e também não sei quanto “para sempre” dura), mas o trabalho atual tem sido fazer os dois formatos. E isso força as editoras a criar novos cargos e a treinar pessoal exclusivamente para a criação de produtos que ainda não vendem o suficiente para pagar tudo isso.

Sei que a ideia comum é a de que é só pegar o arquivo final do impresso e colocá-lo para vender como e-book. Pode ser que existam editoras que trabalhem assim, mas no geral há o que chamamos de “conversão”. Eu achava que essa conversão era mais fácil que a criação do zero de um e-book, mas não é. Atualmente, vejo que é mais difícil converter, por exemplo, um livro impresso para ePub do que começar um sem modelo impresso. Isso acontece porque o impresso cria expectativas irreais de diagramação, e como exemplos dolorosos posso citar que imagens e fontes não raramente têm que ser integralmente trocadas. E, sério, isso assusta. (Quando você troca todas as imagens por um formato que você sabe que ficará perfeitamente legível, mas esse formato é tão pesado que cada página com imagem demora mais de dez segundos para passar, isso assusta demais! Mas, ok, esses são terrores muito pessoais...)

Sim, e-book assusta quem faz, quem lê e quem vende. Então, por que, diabos, fazer isso? Porque (quase) todos admitem que ter a opção de se livrar do físico quando der vontade é uma boa ideia. Ok, uma ideia que parte das empresas de tecnologia, mas ainda assim boa. Como é boa a ideia de ter zilhares de músicas estocadas digitalmente e de ver filmes direto do celular ou dos tablets. Isso é encantador. Mas, sinceramente, quando penso em músicas e filmes digitais, eu não penso em iTunes ou Netflix, por exemplo, eu penso em sites tipo Megaupload, ou o mais popular no Brasil, 4shared. Isso é mais que assustador... e é uma tendência. Busque agora, por exemplo, “e-books” no Google e você vai ver que a primeira página de resultado quase inteira tem a palavra “grátis” ao lado de “e-books”.

Além disso, Paulo Coelho está finalmente apresentado seus poderes sobrenaturais ao mundo e apoiando a pirataria dos seus livros. Isso encanta o leitor, mas apavora as editoras, que, com a digitalização de seu trabalho, sente que pode perder não só o dinheiro que entrava com a venda dos livros para os leitores, como também os seus autores best-seller, pois estes podem vender (ou até doar) suas obras diretamente para seus leitores.

Mas o que me encanta na atitude do Paulo Coelho é que ele, diferentemente do Metallica na época do Napster, por exemplo, está tentando agradar a maioria. O que não foge às palavras do filósofo Jeremy Bentham sobre a função do capitalismo, que seria produzir “o maior bem para o maior número”. Sinceramente, me encanta ver o capitalismo mudar, ainda que por exigência de outra indústria e não completamente por causa de cyberativistas Anonymous. Encanta bem mais do que assusta.

Cindy Leopoldo é graduada em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pós-graduada em Gerenciamento de Projetos pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Cursou o Yale Publishing Course em 2015. Trabalha em departamentos editoriais há mais de uma década. Atualmente é gerente de edições digitais da Intrínseca no Rio de Janeiro, sendo responsável pelos e-books da editora carioca. Escreve quinzenalmente, só que não, para o PublishNews. Sua coluna trata do mundo que existe do lado de dentro das editoras. Mais especificamente, dentro de seus departamentos editoriais. Acesse aqui o LinkedIn da Cindy.

[30/01/2012 22:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Cindy Leopoldo entrevistou Paola Prestes, diretora do documentário sobre o editor brasileiro Massao Ohno, e conta tudo na sua coluna de hoje
Em sua coluna, Cindy Leopoldo busca respostas para essa questão que perturba muita gente que trabalha com livros digitais não só no Brasil, mas no mundo inteiro
Os e-books exigem uma entrega profunda por parte dos que trabalham com eles
Um livro impresso muitas vezes segue uma espécie de receita de bolo. Com os e-books, várias novas possibilidades surgiram. Mas o que se vê, na prática, ainda é a aplicação de receitas de bolo na produ
Cindy fala com Lee Ripley, da Vivays Publishing, de Londres, uma editora curiosa, que nasceu durante a crise mundial e decidiu investir em livros impressos de arte, na suposta era dos e-books
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Felipe Lindoso esteve no evento literário realizado no interior de Minas Gerais e conta como foi
Em sua coluna, Paulo Tedesco defende que é preciso resistir. "E resistir, no mundo do livro, é o mesmo que fincar pé nas coisas simples e cotidianas, entre elas a defesa da cultura laica e pacífica",
Em sua coluna, Felipe Lindoso fala sobre a Flicristina, festa literária que começa hoje no sul de Minas
Felipe Lindoso analisa do Censo do Livro Digital divulgado realizado pela Fipe
Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens.
Clarice Lispector
Escritora brasileira em 'A hora da estrela'
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar