Publicidade
Publicidade
Lucky Peach: uma coffee table magazine
PublishNews, 13/01/2012
Lucky Peach: uma coffee table magazine

Ele é americano, tem ascendência coreana e batizou sua rede de restaurantes com um nome japonês: Momofuku. Aos 34 anos, David Chang já abriu quatro casas em Nova York – uma delas, o Momofuku Ko, mantém no Guia Michelin 2012 as duas estrelas que ganhou em 2009 – e uma em Sydney, além de uma cadeia de confeitarias com três endereços em Manhattan e um no Brooklyn. Como todo chef de sucesso, ele também lançou seu livro de receitas, o Momofuku (Clarkson Potter, 2009), escrito com o jornalista Peter Meehan. E, só da Fundação James Beard, ganhou sete prêmios nos últimos seis anos.

Mas tudo isso parece não ter sido suficiente, ou Chang é um sujeito que não consegue parar quieto. Em 2011, ele juntou-se outra vez a Meehan para, ao lado da pequena editora McSweeney’s e da produtora Zero Point Zero, lançar uma nova e ousada empreitada: uma revista de cozinha. Com circulação trimestral (o primeiro número saiu em junho e o segundo, em novembro), a Lucky Peach deu uma reviravolta na conhecida fórmula das revistas americanas de receitas, como são as de Martha Stewart e Jamie Oliver, como era a falecida Gourmet.

Começa pelo nome inusitado, “pêssego sortudo”, tradução para o inglês da palavra “momofuku”. Na capa, em lugar de um prato apetitoso e bem-produzido, a edição de estreia trazia a foto de um frango depenado indo para a panela; a segunda mostra um peixe morto. Ortodoxia também passou longe da reportagem inicial do primeiro número, um imenso diário (são dezesseis páginas, quase sem imagens) da viagem que Chang e Meehan fizeram ao Japão para investigar a melhor forma de preparo e os endereços certos para comer ramen, o tema da edição. Sim, toda a edição foi dedicada ao prato, meio macarrão, meio sopa, meio sopa de macarrão. Entre outras matérias, há um guia com as diferentes formas do noodle servidas no Japão, um artigo de Harold McGee sobre alcalinidade, uma conversa recheada de palavrões entre Chang e os chefs Anthony Bourdain e Wylie Dufresne, degustação de ramens a cargo de Ruth Reichl e apenas 25 receitas em 176 páginas, nenhuma delas publicitária.

“The sweet spot”, o tema da segunda edição, é bem mais amplo – e um tanto incompreensível, como admite Peter Meehan na carta ao leitor: “passei quatro meses tentando entender isso, e cheguei à conclusão de que quase tudo pode ser classificado como ‘ponto suave’, desde que você olhe pelo ângulo certo”. Então temos outro extenso diário de viagem, um artigo sobre a microbiologia do missô, outro sobre facas, um depoimento de Ferran Adrià, uma matéria com fotos reveladoras das diferentes maneiras de se matar um peixe...

Daria pra dizer que é trabalho de um bando de doidos. Mas esse bando de doidos parece ter acertado numa coisa: eles inventaram a coffee table magazine, um híbrido de revista, na forma, e de livro, na consistência (e extensão) da leitura. Dá vontade de guardar cada exemplar, impresso em ótimo papel, com projeto gráfico ousado, ilustrações artísticas e muito espaço para inovações – o número 2, por exemplo, lança mão de uma HQ para mostrar as correções da edição anterior e traz uma cartela com 45 adesivos divertidíssimos, que os editores recomendam “usar com responsabilidade” (meu preferido diz “US$ 6 de desconto em toda a sua compra caso você leve esta berinjela”).

Mesmo ao preço de US$ 10 – a assinatura anual da revista Everyday Food, de Martha Stewart, custa US$ 15 –, o primeiro exemplar fez sucesso: segundo o New York Times, os 40 mil exemplares iniciais foram vendidos e a segunda tiragem, com 12 mil, também sumiu das bancas. Resta saber como se sai o número 2, que já subiu para US$ 12 e incluiu alguns anúncios. Faz sentido, já que a produção de uma revista como essa é caríssima. Até quando Chang tem fôlego para aguentar, não se sabe. Mas o time da Lucky Peach não para: em breve deve sair seu aplicativo para iPad.

A coluna Caderno de receitas fala sobre livros de cozinha: dos títulos editados no Brasil aos bons (e maus) exemplos estrangeiros; do trabalho envolvido nas traduções; da migração para as plataformas digitais e de muitos outros assuntos saborosos ligados a esse universo. Os textos de Gabriela Erbetta vão fechar a semana uma vez a cada quinze dias.

[12/01/2012 22:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Digital tem um grande terreno a conquistar no Brasil, mas tem alguém ensinando os leitores a usar tudo isso?
Parece que essa é também a temporada dos livros de receitas derivados de blogs de sucesso
Em sua viagem aos EUA, Gabriela Ebertta conta o que viu nas livrarias do lado de lá
Gabriela Erbetta dedica a sua coluna de hoje à grande Julia Child
Gabriela Erbetta conta como foi ler um mangá culinário
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Projeto de Lei que cria o Fundo Nacional Pró-Leitura é aprovado na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Volnei Canônica explica tudo sobre o que isso significa
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica usa sua coluna para falar sobre a cena da literatura infantil e juvenil dentro da premiação do Jabuti
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a qualidade da leitura dos brasileiros, podemos ler muito, mas "a realidade é de que lemos mal, e muito mal"
Eu ensino a ler e a escrever, mas não posso prometer que os alunos irão se tornar poetas.
Paulo Henriques Britto
Poeta brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar