Publicidade
Publicidade
Ainda sobre o saco de gatos
PublishNews, 15/08/2011
Ainda sobre o saco de gatos

No embalo das questões suscitadas na última coluna, resolvi aprofundar o tema da abrangência contida no que normalmente se entende por literatura infantil e juvenil. Desta vez pelo viés do mercado e da crítica. Este fenômeno está longe de ser exclusivo deste gênero literário. Porém, o instrumental crítico-teórico produzido em torno da chamada literatura adulta é responsável pelo estabelecimento de cânones e critérios que estabelecem as distinções que orientam grande parte dos leitores.

O crescimento da indústria editorial somado às imposições das regras do mercado tem contribuído, sem dúvida, para uma forte relativização de tais cânones e critérios. No cerne da forte standarização da cultura, a literatura se confunde e engloba desde os mais descartáveis best-sellers até a mais enganosa autoajuda. No entanto, entrar nesta ceara é bastante complicado, pois significa se embrenhar na velha discussão indústria cultural X consumo que, sem dúvida, perpassa toda a nossa reflexão, sem no entanto ser o centro.

Deixando esta questão de lado, vale ressaltar dois aspectos: a superioridade, prestígio e reconhecimento que caracterizam a literatura adulta em relação à literatura infantil e juvenil e as consequências da falta de difusão de uma crítica especializada, o que dificulta o compartilhamento de critérios que orientem escolhas dos mediadores e ampliem sua formação como leitores.

A produção literária para jovens leitores ganhou, nessas últimas décadas, reconhecimento e prestígio inquestionáveis, tanto no plano nacional, como no internacional e é fruto de um conjunto de fatores cuja abrangência se estende da ressonância das premiações internacionais, passando pelos investimentos governamentais e editoriais, até os efeitos resultantes das múltiplas ações promotoras da leitura. Este reconhecimento, no entanto, está longe de traduzir um entendimento mais amplo sobre o que é literatura infantil e juvenil.

Considerada por muitos um gênero menor, de produção fácil, que não requer grandes conhecimentos específicos, a literatura infantil e juvenil sofre deste desconhecimento geral que justifica muita coisa em seu nome. Daí o balaio de gatos da coluna anterior – e desta.

Por abarcar um universo etário muito amplo, uma diversidade de maturidades leitoras enorme, assim como de gêneros literários e de tipos de livros distintos, não contribui para um aprofundamento do conhecimento do gênero, ou melhor, dos gêneros. Refém dessa generalização extrema, a literatura infantil e juvenil acaba sendo uma denominação abstrata que mais confunde do que identifica.

Mas este território sem fronteiras acaba sendo um facilitador para muitas editoras que, frente ao desconhecimento geral, fazem dos seus comerciais – muitas vezes sem formação para isso – seus principais porta-vozes na relação, por exemplo, com os professores. Esta ponte frequentemente distante de critérios literários mais rigorosos só aprofunda o desconhecimento. Nesse sentido, destaca-se a importância dos catálogos das editoras e dos materiais de divulgação – todos merecedores de pelo menos uma coluna e de vários estudos – reveladores da visão e dos critérios que orientam cada editora sobre suas escolhas, seus pesos e sua lógica de catalogação.

Mas não é só de fronteiras que se ressente este território. A falta de sinalização clara também propicia uma produção cada vez maior neste segmento. É impressionante o crescimento do mercado nos últimos anos, o que somado à imposição perversa de uma vida curta para cada livro resulta na avalanche de títulos impossível de acompanhar que estamos vivenciando. É claro que isto se deve às perspectivas oferecidas pelos programas do governo, porém é importante lembrar que o mercado é oscilante e não podemos deixar de olhar para experiências vizinhas, como a do México. 

Porém, é visível que esta bolha de crescimento tem um limite e que certamente qualidade e quantidade serão critérios que, em breve, farão repensar a atuação estratégica neste mercado. O investimento na formação de mediadores, mesmo que no seu ritmo lento, certamente também será um elemento que a médio prazo estabelecerá critérios mais consistentes na seleção e escolha dos livros para o jovem leitor.

Mas para que este salto se dê é necessário que se abram espaços de discussão e reflexão, espaços de crítica sobre a produção existente que forneçam parâmetros e orientem os mediadores. No momento, a crítica existente está restrita à academia ou aos círculos próximos de algumas instituições voltadas para a promoção da literatura infantil e juvenil, como por exemplo a FNLIJ, responsável histórica pela divulgação de critérios de qualidade por meio de suas premiações e de seu investimento na defesa da literatura. Se este trabalho é decisivo e a ele se deve um grande avanço na produção desta literatura, ele é, todavia, insuficiente em termos do seu raio de extensão.

As livrarias não dão conta de expor e de dar visibilidade a todos os lançamentos, não há espaço, e a literatura infantil e juvenil pode ser tão descartável como tantos outros produtos. Acompanhar as novidades fica cada vez mais difícil e, portanto, ter novas referências fica mais distante também. Talvez a efemeridade do mercado – que vivemos e que de certa maneira todos alimentamos – agradeça essa ausência de critérios e de fronteiras, mas certamente não o leitor.

Em tempo: amanhã temos Conversas ao Pé da Página. E vale conferir também o próximo curso da Universidade do Livro da Unesp: Um panorama da literatura para crianças e jovens. Nos vemos lá.

Dolores Prades é editora, gestora e consultora na área editorial de literatura para crianças e jovens. É membro do júri do Prêmio Hans Christian Andersen e curadora da FLUPP. É também coordenadora do projeto Conversas ao Pé da Página - Seminários sobre Leitura, e da área de literatura para crianças e jovens da Revista Eletrônica Emília. Sua coluna pretende discutir temas relacionados à edição e ao mercado da literatura para crianças e jovens, promover a crítica da produção nacional e internacional deste segmento editorial e refletir sobre fundamentos e práticas em torno da leitura e da formação de leitores. Seu LinkedIn pode ser acessado aqui.

[14/08/2011 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucess
Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola
A importância dos livros sem idade reside precisamente no fato deles ultrapassarem seus destinatários naturais e ampliarem seu escopo de leitores, graças a suas qualidades tanto formais como de conteú
O interesse por este tema tem sido também recorrente entre as solicitações de leitores da Revista Emília
Vários são os fatores responsáveis pelo crescimento do segmento de mercado dedicado a livros para bebês: o reconhecimento da importância da leitura para o futuro
Publicidade



O MBA em Book Publishing é uma pós-graduação Lato Sensu, reconhecida pelo MEC. Com realização da Casa Educação e apoio oficial do Publishnews, o curso tem a coordenação pedagógica do Instituto Singularidades. O programa foi elaborado para contemplar as profundas transformações que o mercado editorial vem passando nos últimos anos, sempre com o objetivo de preparar profissionais de forma completa e eclética para atuarem na indústria do livro. O curso já se encontra na terceira turma.

Outras colunas
Em sua coluna, Volnei Canônica defende a 'literatura do desserviço'
Ainda em celebração ao Dia da Consciência Negra, Volnei Canônica escreve artigo em que retoma a história da produção da literatura
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
É ainda possível chorar sobre as páginas de um livro, mas não se pode derramar lágrimas sobre um disco rígido.
José Saramago
Escritor português
(1922- 2010)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar