Publicidade
Publicidade
7 coisas indispensáveis para um editor de literatura para crianças e jovens
PublishNews, 18/07/2011
7 coisas indispensáveis para um editor

Quando me propuseram esta pauta pensei imediatamente em quais seriam os mandamentos que todo editor de LIJ deveria seguir para orientar o seu trabalho. Mas na medida em que fui tentando entender o porquê do numero 7, tão cabalístico e simbólico, com a mesma rapidez, me desfiz da ideia de mandamentos, excessivamente pretensiosa e próxima demais de um modelo, de um padrão, tão contrários à liberdade, flexibilidade que, a meu ver, devem alimentar e caracterizar um fazer editorial dinâmico e criativo. Entretanto, a ideia de identificar alguns pré-requisitos não parou de me martelar e pensei que seria um fechamento para a reflexão das últimas semanas sobre a natureza do editor de LIJ.

Como toda atividade intelectual, a formação do editor não tem hora, nem data de conclusão. Ao contrário, é um longo processo que, para além do conhecimento “técnico”, pressupõe imersões no campo da literatura, da filosofia, das humanidades em geral. Nada como um bom curso de Humanas para formar um bom editor: eis a fonte dos critérios e do repertório que vão orientar as escolhas e as decisões. Pensando nisso, identifiquei e separei alguns aspectos que podem ser, para efeito de reflexão, considerados essenciais para o bom desempenho desta função.

Em primeiro lugar, alguns aspectos mais gerais:

1. Ter familiaridade com a história da LIJ, com o seu processo de constituição enquanto gênero literário, com as polêmicas do debate em torno de sua afirmação e das teorias a sua volta, pois nisso reside a tomada de consciência do espaço de onde pisamos e do qual estamos falando.

2. Acompanhar e refletir sobre as tendências e as características das diferentes etapas do desenvolvimento da LIJ, nacionais e internacionais, pois isso ajuda a formar a base do repertório necessário para poder estabelecer critérios de avaliação e seleção, assumir preferência e afinar gostos.

3. Pensar historicamente na criança e no jovem, no sentido de identificar e se possível antever tendências, questões, mudanças sociais de modo a publicar livros em consonância com as inquietudes contemporâneas, de acordo nosso tempo mas pensando no futuro.

Em segundo lugar, algumas questões mais específicas:

1. Conhecer profundamente e identificar as etapas, os tempos, as atribuições de cada fase do processo de edição é condição para exercer o papel de gestor e coordenador que cabe ao editor, responsável primeiro por todo o processo.

2. Dirigir e coordenar a edição de texto e de arte, o texto e a ilustração, de maneira que ambas as linguagens se complementem e se potencializem. A decisão dos pesos de cada linguagem e a escolha da técnica, do traço são decisivas para o resultado final.

3. Acompanhar as tendências internacionais e nacionais das publicações e acompanhar a crítica, no Brasil, infelizmente, praticamente inexistente. Ficar atento para as mudanças, do livro-álbum como suporte de inovação aos livros digitais.

4. Conhecer o mercado, identificar a concorrência para melhor se posicionar, identificar os seus leitores e demarcar a cara de seu catálogo de modo a fidelizar seu público e criar as bases para sua credibilidade no mercado.

Coerência e credibilidade caminham juntas no que se refere ao mercado. O público se identifica com uma determina linha editorial e o editor é responsável por dar continuidade e alimentar essa cadeia. Daí a importância de delimitar e definir o projeto editorial, de identificar as escolhas em consonância com uma proposta mais ampla que de sentido e justifique cada tomada de decisão.

Essa centralidade do trabalho editorial é justamente a que faz do editor a alma de toda editora, cabendo a ninguém melhor do que ele o ponta pé inicial e o controle de qualidade de todas as ações que envolvem o livro do original a sua entrada no mercado.

A profissionalização do mercado editorial, a progressiva especialização das diversas áreas, a inversão dos papéis em favor de uma perspectiva puramente mercadológica, entre outros fatores, dificultam a formação desse editor, como figura central de todas as ações e decisões. Porém, é desde a subordinação do mercado à vocação cultural de uma editora que reside o seu sucesso a médio e longo prazos, e não no inverso, apesar especulações atuais.

Para fazer frente ao progressivo desaparecimento dessa figura praticamente lendária no mundo da edição, tomam corpo e ganham importância as equipes editoriais que, no caso da edição de LIJ, têm uma composição específica que é necessário levar em conta e respeitar. Se de modo geral o editor de texto dirige a cena, cada vez mais o papel do design gráfico, do editor de arte e muitas vezes do produtor gráfico ganham relevância e muitas vezes protagonismo. É só pensar, por exemplo, nos livros de imagens e nos formatos mais ousados, com recortes, facas etc.

Daí a importância de procurar a harmonia entre estes dois lados que, muitas vezes, em defesa de cada terreno particular, se converte em palco de fortes tensões. E aqui o elemento diferenciador reside outra vez numa gestão clara dos processos, das etapas; na constituição de equipes que trabalhem em torno de projetos claros, compartilhados e definidos. 

Em tempo: E falando em formação, que tal visitar a exposição “Linhas de Histórias – um Panorama do livro ilustrado no Brasil”, dedicada à produção brasileira contemporânea de ilustração, promovida pelo SESC SP, no SESC Belenzinho. E ainda dar uma olhada nos livros recém lançados pela CosacNaify de Sophie Van der Linden e Maria Nikolajeva e Carole Scott também sobre o livro ilustrado.

Dolores Prades é editora, gestora e consultora na área editorial de literatura para crianças e jovens. É membro do júri do Prêmio Hans Christian Andersen e curadora da FLUPP. É também coordenadora do projeto Conversas ao Pé da Página - Seminários sobre Leitura, e da área de literatura para crianças e jovens da Revista Eletrônica Emília. Sua coluna pretende discutir temas relacionados à edição e ao mercado da literatura para crianças e jovens, promover a crítica da produção nacional e internacional deste segmento editorial e refletir sobre fundamentos e práticas em torno da leitura e da formação de leitores. Seu LinkedIn pode ser acessado aqui.

[17/07/2011 21:00:00]
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Uma visita a qualquer livraria importante, mostra a convivência dos livros ilustrados junto às inúmeras séries juvenis de sucess
Os temas transversais foram incorporados aos parâmetros curriculares nacionais com o intuito de introduzir e garantir a discussão de temas sociais na escola
A importância dos livros sem idade reside precisamente no fato deles ultrapassarem seus destinatários naturais e ampliarem seu escopo de leitores, graças a suas qualidades tanto formais como de conteú
O interesse por este tema tem sido também recorrente entre as solicitações de leitores da Revista Emília
Vários são os fatores responsáveis pelo crescimento do segmento de mercado dedicado a livros para bebês: o reconhecimento da importância da leitura para o futuro
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua coluna, Paulo Tedesco fala sobre a importância de se apostar no nicho certo para se vender mais livros
Carlo Carrenho analisa os dois maiores mercados editoriais da América do Sul
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A literatura que prefiro é aquela que mistura os gêneros.
Daniel Mordzinski
Fotógrafo argentino em entrevista para a revista Ponto
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar